Se depender do estudo, realizado pela empresa suíça de biotecnologia Cytos e publicado na revista Lancet, o consumo diário de medicamentos para a hipertensão pode estar com os "dias contados".

sso porque os pesquisadores desenvolveram uma vacina, capaz de inibir o hormônio angiotensina, que provoca a contrição das veias, aumentando a pressão sangüínea.

A vacina foi testada, em três doses diferentes, em intervalos de poucas semanas, em 48 pacientes. O resultado, comparado ao de outras 24 pessoas que tomaram placebo, foi a redução significativa da pressão sangüínea, com poucos efeitos colaterais, como sintomas leves de gripe. 

Além disso, 72 pacientes com insuficiência renal e hipertensão foram escolhidos, aleatoriamente, a partir de uma lista gerada por um computador, para receberem injeções subcutâneas.

O saldo final apresentou, principalmente, fatores como segurança e tolerabilidade.

Alternativa

Segundo os cientistas, a vacina, que só precisa ser tomada de quatro em quatro meses, poderá oferecer uma alternativa simples aos hipertensos, que necessitam de medicamentos diários para controlar a pressão arterial.

Para Martin Bachmann, que liderou a pesquisa, a vacina contra a hipertensão pode ser administrada durante visitas regulares ao médico, facilitando aaderência ao tratamento

Manhã X Noite

Durante os testes, nenhuma das vacinas (com doses de 100 microgramas e 300 microgramas) baixou significativamente a pressão dos pacientes no período da noite. 

No entanto, durante o dia, a dose mais alta reduziu significativamente a pressão sangüínea, especialmente no fim da manhã, quando se sabe que a pressão aumenta.

Os pesquisadores consideraram o resultado promissor, mas afirmam que a vacina ainda precisa ser testada em larga escala.

O estudo está registrado, sob o número NCT00500786, no ClinicalTrials

Fonte: Lancet

Leia Mais:

E-Book: O sistema renina-angiotensina na resistência à insulina e hipertensão

 

Sandra Malafaia
Redação Online da SBD

VOLTAR

Informações do Autor

Dr. Reginaldo Albuquerque
Research Fellow da Universidade de Londres (1975-1979)
Ex-professor de endocrinologia da Universidade Brasilia (1967-1982)
Ex-superintendente de Ciências da Saúde do CnPq (1982-1990)