O que esperar para 2015?


Dr. Mark Barone
Doutor em Fisiologia Humana (ICB/USP)
Especialista em Educação em Diabetes (ADJ-IDF-SBD, UNIP e IDC)
Autor dos livros “Tenho diabetes tipo 1, e agora?” e “Diabetes: conheça mais e viva melhor”
e do blog www.tenhodiabetestipo1eagora.blogspot.com

Além de felicidade, paz, amor e saúde, é possível esperar para 2015 muitas novidades em termos de medicamentos e tecnologias médicas que facilitem o manejo do diabetes e o controle da glicemia. Durante de 2014, muitos anúncios, resultados de pesquisas, lançamentos e pré-lançamentos mundiais apontaram para essas novidades. Além disso, eventos científicos nacionais e internacionais não faltarão para que elas sejam conhecidas (muitos deles já divulgados site da SBD: www.diabetes.org.br/eventos.

Dentre as novidades lançadas no Brasil, e amplamente divulgadas, vale a pena lembrar da insulina Degludec, primeira insulina basal a apresentar período total de ação bastante maior que 24 horas. Outro medicamento há muito aguardado para uso em diabetes tipo 2, a Dapagliflozina, também foi lançado, permitindo a eliminação de glicose na urina mais precocemente (antes que ocorra hiperglicemia). Além da bomba de insulina Veo®, que suspende a liberação de insulina quando é atingido determinado valor de glicose pré-programado, a fim de evitar a ocorrência de hipoglicemia severa. Outro lançamento, na Europa, neste caso, mas de muita repercussão também no Brasil, foi o FreeStyle Libre®. Trata-se de um novo sensor de glicose que não depende de calibrações, portanto, não é necessário fazer o teste de glicemia capilar para calibrá-lo, e cada sensor tem duração de 14 dias.

Seguindo a mesma linha de lançamentos de drogas novas mais eficazes e equipamentos com mais recursos que facilitam o manejo do diabetes, foram divulgados em 2014 estudos de novas formulações de insulina em fase de teste, como a Glargina U300, apresentando menor ocorrência de hipoglicemia noturna e severa em pessoas com diabetes tipo 2.1 Em relação às bombas de insulina, talvez o pré-lançamento que mais chama a atenção é o da bomba MiniMed® 640G, feito na Austrália. Diferente da Veo® que suspende a insulina apenas quando um determinado valor de glicose é atingido e, permanece suspenso por 2 horas, a não ser que o indivíduo cancele a suspensão, no caso da MiniMed® 640G a insulina é suspensa quando há previsão de hipoglicemia. Portanto, o bloqueio ocorre antes que se atinja valor referente ao de hipoglicemia, e a suspensão é cancelada automaticamente quando não há mais hipoglicemia e/ou previsão de hipoglicemia.2

Finalmente, já na primeira edição de 2015 de duas importantes revistas científicas da área aparecem resultados e revisões de temas de grande interesse para o ano, que são: 1) formulações estáveis de Glucagon por até uma semana em ambiente não refrigerado, que poderão facilitar o cumprimento da meta do Prof. Dr. Edward Damiano de finalizar e comercializar o pâncreas biônico até 2017 (esta era uma das principais limitações para o desenvolvimento do equipamento em questão);3,4 e progressos na compreensão da relação entre microbiota e desenvolvimento de obesidade e diabetes tipo 2 (o que, apesar de estar em pauta há alguns anos, gerou muita polêmica em 2014 quando apresentados resultados da possível interação de adoçantes comerciais com a microbiota)5, com destaque para o desenvolvimento de novas drogas, terapias e entendimento do, já realizado com sucesso, transplante de microbiota fecal.6

Mais informações em:

Barone, Mark. Logo mais as bombas e sensores cuidarão de tudo. Disponível em: http://tenhodiabetestipo1eagora.blogspot.com.br/2014/12/logo-mais-as-bombas-e-sensores-cuidarao.html Acesso em 30/12/2014.
Barone, Mark. Glicemia Sem Sangue ou no Celular, Cateter e Sensor Combinados, Insulina de Duração Prolongada e Outras Novidades. Disponível em: http://tenhodiabetestipo1eagora.blogspot.com.br/2014/06/glicemia-sem-sangue-ou-no-celular.html Acesso em 30/12/2014.

Referências:

1. Riddel, et a. New Insulin Glargine 300 Units/mL Versus Glargine 100 Units/mL in People With Type 2 Diabetes Using Oral Agents and Basal Insulin: Glucose Control and Hypoglycemia in a 6-Month Randomized Controlled Trial (EDITION 2). Diabetes Care December 1, 2014 37:3235-3243
2. Medtronic. The new MiniMed® 640G System. Disponível em: http://us6.campaign-archive2.com/?u=0c17efa329&id=a60fc2063c&e=ca0fcd2b5d. Acesso em 30/12/2014.
3. Journal of Diabetes Science and Technology. January 2015; 9 (1). Symposium: Glucagon Therapy. Disponível em: http://dst.sagepub.com/content/9/1.toc Acesso em 30/12/2014.
4. Boston University. Boston University’s 2014 University Lecture Presented by Edward Damiano. Disponível em: http://youtu.be/zg5S0kbSqgY Acesso em 30/12/2014.
5. do Nascimento, Maria Aparecida B. ARTIFICIAL SWEETENERS INDUCE GLUCOSE INTOLERANCE BY ALTERING THE GUT MICROBIOTA |ARTIGO COMENTADO|. Publicado no site da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) em: 13 Outubro 2014, Disponível em: http://www.diabetes.org.br/colunistas-nutricao/dra-maria-aparecida-b-do-nascimento/artificial-sweeteners-induce-glucose-intolerance-by-altering-the-gut-microbiota-artigo-comentado Acesso em 30/12/2014.
6. American Diabetes Association. “Obese” and “Lean” Bacteria: Growing Interest in the Gut Microbiome. Diabetes Care 2015; 38:1. Disponível em: http://care.diabetesjournals.org/content/38/1/1.full Acesso em 30/12/2014.

VOLTAR

 

Você não tem permissão para enviar comentários

Comentários  

Mark Barone 23-06-2015 11:21
Muito obrigado por sua pergunta (desculpe pela falta de alguns acentos). A hipoglicemia e' realmente o maior medo dos pais. Ha' pouco escrevemos exatamente sobre esse assunto. Talvez a leitura dos artigos abaixo seja útil para o seu caso:
http://www.diabetes.org.br/colunistas/dr-mark-barone/o-porque-das-hipoglicemias-graves-ou-assintomaticas
http://www.diabetes.org.br/ideias-e-comentarios/hipoglicemia-noturna-quais-os-riscos

Em relação ao FreeStyle Libre®, em alguns países ele e' vendido em mmol/L, portanto, em unidade diferente da que usamos no Brasil (mg/dL). Assim, seria importante tomar esse cuidado antes de compra-lo. A empresa fabricante, Abbott®, diz que trara' o equipamento ao Brasil em 2016, mas, obviamente, não podemos garantir a data. Atualmente, caso seja adquirido fora do Brasil, e' necessário também adquirir os novos sensores fora do Brasil, ate' que comecem a ser vendidos aqui.

Assim como as estrategias para procurar evitar hipoglicemias graves e assintomáticas, e' fundamental sempre ter fontes de carboidrato simples e o Glucagon injetável para trata-las, e ha' sim outros equipamentos que podem ser uteis. Para mais informações sugiro que leia alem dos artigos sugeridos acima e abaixo, o livro "Diabetes: conheça mais e viva melhor", e fale com sua equipe de saúde e com o medico do seu filho para que faca ajustes na insulina e no tratamento.

Atenciosamente,
Mark Barone

Outros artigos sugeridos:
http://tenhodiabetestipo1eagora.blogspot.com.br/search?q=hipoglicemia+tecnologia
http://tenhodiabetestipo1eagora.blogspot.com.br/search/label/nova%20tecnologia
PAULOS SERGIO DA SILVA TRINDADE 22-06-2015 23:04
Dr Mark, tenho um filho com 11 anos que adquiriu "diabetes tipo 1", há dois anos. Tenho lido muito sobre o lançamento do FreeStyle Libre®.

Se adquirirmos este equipamento para controle da glicemia no exterior, ele poderá ser usado no Brasil. Seu funcionamento seria normal?

Por outro lado, há expectativa que ele venha a ser comercializado no Brasil?

Por fim além deste equipamento, conhece algum outro lançamento semelhante que possa nos ajudar nesta árdua tarefa. Meu filho tem tido "hipoglicemias" muito frequentes e não tem apresentado os sintomas de alerta, o que torna ainda mais perigoso e de risco o controle. Como exemplo, ontem apresentou índice glicêmico de "26" sem qualquer sintoma.

Obrigado pela atenção, aguardo suas orientações, por favor.

Colunas mais lidas

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

!-

secretaria@diabetes.org.br

-->

SBD nas Redes