Enfrentando os desafios do DM1 em Tenra Idade

Olá, Meu nome é Ângela Matos. Há 2 meses descobrimos que nosso filho de 2 anos tem diabetes tipo 1...

Nossa, que susto! Ele chegou ao hospital com o nível glicêmico de 900 mg/dL e um quadro de cetoacidose. Como foi difícil e está sendo. Até então eu só ouvira falar de diabetes na faculdade, mesmo assim muito superficialmente, diferenciando o tipo 1 do tipo 2. Estar nessa situação é muito complicado, tendo em vista que ainda se sabe pouco sobre a doença.

Por que o sistema de defesa ataca as próprias células beta do pâncreas? O que faz esta disfunção acontecer? O pâncreas tem capacidade de ser reestimulado? A partir de que momento ele para de produzir insulina? São tantas perguntas, são tantos anseios, meu filho ainda é muito pequeno para entender e nós, que crescemos, ainda não entendemos essa doença. Desde que ele saiu da internação tenho feito de tudo para controlar a glicemia dele, horários, dextros e dieta. Faço com carinho as refeições dele de todos os dias, inventando alguma coisa e tornando a vida dele mais alegre, mais gostosa, amenizando um pouco das picadas diárias, tudo sem açúcar.

Deixei de trabalhar para me dedicar totalmente a ele neste início de adaptação. Ele vai precisar de mim quando sentir dor de cabeça, tonturas e náuseas. Quando ele se sente irritado, triste ou com medo, quero estar com ele. As pessoas subestimam a doença.

Eu quero que meu filho cresça feliz e normal e que seja saudável. Enquanto isso, vamos nos preparando para o futuro, cada dia aprendendo mais e esperançosos pela cura. Eu achei importante procurar um acompanhamento psicológico familiar por que essa doença não só atingiu o meu filho como refletiu no ambiente familiar, tanto comportamental quanto psicológico. Espero que tão logo eu esteja mais capacitada e segura para que meu siga feliz em seu caminho. É isso que todas as mães desejam para seu filho.

VOLTAR

AVISO IMPORTANTE
Conforme determina o Código de Ética Médica, nossos colaboradores não poderão emitir parecer médico ou sugerir orientação diagnóstica ou conduta terapêutica sobre pacientes que não estejam sob seus cuidados profissionais.

Adicionar comentário

Código de segurança Atualizar

Outras histórias

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

SBD nas Redes