A relevância da variabilidade genética no diabetes tipo 2

Dra. Caroline Mesquita

  • Farmacêutica
  • Doutora em Farmacologia - Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP
  • Especialista em Fisiologia Endócrina e Fisiopatologia do Diabetes
  • Membro Ativo da Endocrine Society

A variabilidade interpaciente nas respostas a quaisquer fármacos, incluindo agentes antidiabéticos, é grande.

Os fatores genéticos podem explicar em parte a variabilidade nas respostas aos fármacos devido às alterações farmacocinéticas ou farmacodinâmicas (1).

Por exemplo, a CYP2C9 é uma enzima que metaboliza os medicamentos hipoglicemiantes orais da classe da sulfoniluréias (SU) e duas variações alélicas comuns (CYP2C9 * 2 e CYP2C9 * 3) que estão associadas com diminuição da depuração e aumento da concentração plasmática de diversos medicamentos, tais como, tolbutamina, glimepirida, glibenclamida, podendo causar uma redução de 70% da atividade enzimática.

O diabetes mellitus tipo 2 (DMT2) tem sido tradicionalmente entendido como uma consequência da síndrome metabólica induzida pela resistência à insulina nos tecidos periféricos. Entretanto, análises genéticas e funcionais de larga escala tem revelado novas variantes genéticas para esta patologia.

Estas análises estão associadas com comprometimento e declínio na função das células beta. Portanto, defeitos primários na síntese, processamento ou secreção de insulina podem desempenhar um papel crucial na patogênese do DMT2.

Diversos estudos confirmam a associação entre o DMT2 e diversas variantes polimórficas, que incluem genes no controle do ciclo celular (CDKN2A / 2B, CDKAL1) evidenciados em várias populações caucasianas (4).

Os principais mecanismos patogênicos pelos quais a CDKAL1 está implicada na etiologia da DMT2 são provavelmente diminuições da resposta à insulina da sensibilidade das células beta (4).

É fato que, ao se investigar os polimorfismos associados com o efeito do medicamento no paciente, pode-se adaptar as decisões clínicas e terapêuticas para o genótipo e fenótipo. Esta estratégia, de se determinar a terapia medicamentosa, de acordo com a constituição genética do paciente, é chamada “medicina personalizada”. Portanto, a farmacogenética e a farmacogenômica tem o potencial de melhorar significantemente a qualidade e a segurança dos medicamentos, a eficiência do desenvolvimento de medicamento e o tratamento de pacientes.


Referências bibliográficas:

1. Osada UN, Sunagawa H, Terauchi Y, Ueda S. A Common Susceptibility Gene for Type 2 Diabetes Is Associated with Drug Response to a DPP-4 Inhibitor: Pharmacogenomic Cohort in Okinawa Japan. Devaney J, ed. PLoS ONE. 2016;11(5):e0154821. doi:10.1371/journal.pone.0154821.

2. Chistiakov DA, Potapov VA, Smetanina SA, Bel’chikova LN, Suplotova LA, Nosikov VV. The carriage of risk variants of CDKAL1 impairs beta-cell function in both diabetic and non-diabetic patients and reduces response to non-sulfonylurea and sulfonylurea agonists of the pancreatic KATP channel. Acta Diabetol. 2011;48: 227–35. doi: 10.1007/s00592-011-0299-4

3. Florez JC (2008) Newly identified loci highlight beta cell dysfunction as a key cause of type 2 diabetes: where are the insulin resistance genes? Diabetologia 51:1100–1110

VOLTAR

AVISO IMPORTANTE
Conforme determina o Código de Ética Médica, nossos colaboradores não poderão emitir parecer médico ou sugerir orientação diagnóstica ou conduta terapêutica sobre pacientes que não estejam sob seus cuidados profissionais.

Adicionar comentário

Código de segurança Atualizar

Outras Ideias e Comentários

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

SBD nas Redes