Saúde Mental

Ao receber o diagnóstico de diabetes, muitas pessoas apresentam várias reações emocionais, como choque, negação, medo, raiva, tristeza e ansiedade. Isso é absolutamente normal. Todos nós passamos por vários estágios emocionais quando temos que enfrentar uma doença crônica.

Negação


Geralmente a primeira reação diante do diagnóstico de uma doença crônica é de choque, seguido de descrença.

É comum negarmos a realidade que nos ameaça. Agimos como se a doença não existisse ou minimizamos a sua gravidade, adiando as providências e os cuidados necessários.

A negação diante do diagnóstico pode fazer com que a pessoa se recuse a tomar as primeiras medidas para gerenciar a doença. Reconhecer que o diabetes terá um papel importante na sua vida é um passo fundamental para aceitar essa condição e viver de forma saudável com ela.


Como saber se estou negando?

  • Essa ferida vai se curar sozinha
  • Ah, depois eu vou ao médico
  • Não tenho tempo para isso agora
  • Diabetes é uma doença boba, é só tomar uns remédios.

Identificou-se com essas frases? Pois você pode estar sabotando o cuidado consigo mesmo:

  1. Deixando de fazer os testes de glicemia regularmente, acreditando que já sabe como está sua taxa só pela forma como está se sentindo;
  2. Ignorando seu planejamento de alimentação;
  3. Esquecendo dos pés, que devem ser verificados regularmente. Você esquece, ou acha que toma muito tempo. Só que essa é a melhor maneira de evitar as complicações nos pés, membros essenciais para sua autonomia. Essa regra vale para os dois tipos de diabetes;
  4. Fumando. “Afinal, são só umas poucas tragadas, isso me ajuda a comer menos... “ Esse raciocínio é um engano! Tabaco e diabetes são uma dupla muito perigosa, que pode levar à morte muito antes da hora.

Para sair dessa situação:

  1. Faça um plano, com metas claras e realistas
  2. Peça ajuda
  3. Envolva sua família e seus amigos mais próximos – existem várias histórias de sucesso em que o cônjuge, os pais, os irmãos e os amigos passaram a ter uma vida muito mais saudável quando começaram a compreender como poderiam ajudar quem tem diabetes!

Medo


O medo em relação ao que ‘vai acontecer’ geralmente está associado com a falta de informação. Essa sensação geralmente diminui com o tempo, na medida em que você aprende mais sobre o diabetes, compreende que muita coisa pode ser feita para evitar as complicações e passa a exercer mais controle sobre sua saúde.

 

Tristeza

“Minha vida mudou para sempre, nada será como antes”. Uma frase como essa pode indicar um desânimo. A boa notícia é que por mais difícil que pareça, isso pode ser superado. Conversar com outras pessoas que têm diabetes pode aliviar essa sensação. A equipe multidisciplinar, sua família e seus amigos também são bons parceiros nessa situação. Sentir-se triste, às vezes, é normal. Entretanto, é preciso observar se a tristeza se tornou constante na sua vida. A depressão é duas vezes mais comum entre as pessoas com diabetes. Se você tem experimentado dificuldade para dormir, está sempre cansado, evita tomar decisões e sente-se sem esperança ou desamparado, converse com a sua família e seu médico. Há tratamento com remédios e com psicoterapia com ótimos resultados.

 

Raiva


Eventos que não queremos, que não esperávamos e que não merecemos geram raiva. É natural a pessoa sentir raiva quando recebe o diagnóstico de diabetes. O problema da raiva está no exagero e na constância da revolta que pode assumir a forma de hostilidade.

Uma das razões que fazem com que o diabetes seja um terreno fértil para a raiva é que a doença pode fazer com que você se sinta ameaçado, cercado de perigos – reações aos medicamentos, complicações – e isso faz com que você odeie o diabetes. E, se você odeia, não quer nem saber daquele assunto, certo? Errado. É possível aprender a usar essa raiva no controle do diabetes.

 

Quanto menos você controlar o diabetes, mais sua raiva poderá crescer. Em vez disso:

  1. Identifique o que está causando a raiva e como isso está afetando a sua vida, mantendo um registro.
  2. Todas as noites, revise o dia e os momentos em que ficou com raiva. Pense o que você fez a respeito e anote.
  3. Depois de algumas semanas, revise essas anotações e procure padrões – são as situações sociais que incomodam? O uso de medicamentos?
  4. Mude os pensamentos e atitudes que alimentam a raiva. Se você estiver se sentindo tenso, falando mais alto ou mais rápido, acalme-se. Aprenda a relaxar. Fale mais devagar, respire mais devagar, beba um gole de água, sente-se, fique um pouco em silêncio. O sentimento de raiva não vai embora, mas você o controla.
  5. Faça com que a raiva trabalhe para você. O diário pode ajudar nisso. Com o que não estou conseguindo lidar? Quanto mais você compreender sua raiva, mais ela poderá ser um fator de crescimento e mudança no sentido de cuidar de você mesmo. Veja o exemplo do Steve Richert, escalador e fotógrafo que faz ótimo controle de seu diabetes. Clique aqui para entender o que ele fez com a notícia de que a vida dele não seria mais a mesma!

Depressão

A depressão ocorre duas vezes mais em portadores de diabetes do que na população em geral. Ocorre em aproximadamente 20% dos portadores de diabetes tanto no tipo 1 quanto no tipo 2, sendo a taxa de depressão maior nas mulheres.

A causa da depressão em portadores de diabetes ainda é desconhecida. Provavelmente é o resultado da interação entre fatores psicológicos, físicos e genéticos. A contribuição de cada um desses fatores para a depressão varia de paciente para paciente.

As restrições alimentares, o tratamento, as hospitalizações e o aumento nas despesas podem ser estressantes para o portador de diabetes. Lidar com as complicações quando o diabetes está mal controlado também pode contribuir pra a depressão.

Alterações físicas associadas ao diabetes (neuroquímicas e neurovasculares) também podem ser fatores causais. Fatores genéticos não relacionados ao diabetes podem causar depressão em portadores de diabetes.

Qualquer que seja a causa, a depressão pode afetar negativamente o controle do diabetes.

A depressão está associada ao pobre controle glicêmico que é a maior causa das complicações do diabetes.

Abra-se com seu médico e outros membros da equipe multidisciplinar. Psicoterapia, medicação e uma combinação das duas coisas, dependendo do caso, têm apresentado excelentes resultados para o bem-estar e também para o controle da glicemia. Antidepressivos são bem tolerados e seguros para pessoas com diabetes, desde que ingeridos nos horários e doses recomendados.

É importante lembrar, no entanto, que cada pessoa responde de uma forma ao tratamento; e recuperar-se de uma depressão pode levar tempo. As doses dos medicamentos – que não têm efeito imediato – e o número de sessões de psicoterapia podem precisar de ajustes. É importante que o psicoterapeuta converse com o médico que trata o seu diabetes.

Verifique esses sintomas:

  1. Perda de prazer e interesse por coisas que antes eram suas favoritas
  2. Mudança no padrão de sono – não conseguir pegar no sono, acordar frequentemente durante a noite, vontade de dormir mais do que o normal, inclusive durante o dia; acordar mais cedo do que o necessário e não conseguir dormir de novo
  3. Mudança no apetite – comer mais ou comer menos do que o costumeiro, com ganho ou perda de peso rápida
  4. Problemas de concentração, mesmo que seja em uma tarefa simples, como assistir televisão
  5. Perda de energia, com sensação de cansaço constante
  6. Nervosismo e culpa – você está sempre ansioso e não consegue relaxar. Além disso, sente-se culpado por “não fazer nada certo” e acha que pode estar sendo um fardo para as outras pessoas
  7. Tristeza principalmente no período da manhã, que vai diminuindo ao longo do dia
  8. Pensamentos suicidas, incluindo formas de tirar a própria vida

Se você apresenta alguns desses sintomas diariamente por mais de duas semanas, sem estar passando por uma situação de luto, nem sofrendo efeitos colaterais de outros medicamentos, procurar ajuda vai fazer muito bem. Seu médico poderá encaminhá-lo a um profissional especializado em saúde mental.

Ansiedade

Muitas pessoas com diabetes apresentam distúrbios de ansiedade. 

A má interpretação de alguns sintomas de hipoglicemia como sendo ansiedade pode prejudicar a rápida correção exigida pelas baixas taxas de glicemia. 

Uma ansiedade em relação a injeções e a visão de sangue também pode complicar a vida de quem precisa tomar diariamente insulina e fazer várias mensurações de glicemia por dia.

O medo de hipoglicemia, uma fonte comum de ansiedade em pessoas com diabetes, pode fazer com que os pacientes mantenham suas taxas glicêmicas acima dos alvos.

Pais de crianças com diabetes também costumam apresentam um extremo medo de hipoglicemia.

Geralmente as pessoas com ansiedade apresentam:

  1. Inquietação
  2. Sensação de estar tenso ou “no limite”
  3. Sensação de “nó na garganta”
  4. Dificuldade de concentração e fadiga
  5. Irritabilidade e impaciência
  6. Tensão muscular
  7. Insônia
  8. Transpiração excessiva
  9. Falta de ar
  10. Dor de estômago e diarreia
  11. Dor de cabeça frequente.

O tratamento é semelhante ao da depressão, com medicamentos específicos e psicoterapia. Converse com a equipe multidisciplinar.
Para muitas pessoas, um passo de cada vez pode ser a solução. Começar uma atividade física prazerosa (que não precisa ser numa academia, pode ser num parque próximo da sua casa) e seguir uma orientação adequada de um nutricionista certamente vão ajudar a controlar as taxas glicêmicas. Conversar com amigos, procurar a ajuda de um psicólogo e estabelecer metas também são medidas bem eficazes. 

Metas, metas, metas. Parece fácil estabelecer metas. Sabemos que não é. O segredo pode estar em estabelecer pequenos objetivos de cada vez, e de forma bem clara. Se você estabelecer intenções vagas, ou fora da realidade – por exemplo, perder muito peso em pouco tempo - pode ficar frustrado. 

Sucesso não é apenas alcançar a meta final.Qualquer pequeno progresso deve ser considerado um sucesso. Você não pode controlar tudo na vida, mas pode tirar o máximo proveito de todas as oportunidades. 

Busque ajuda de pessoas com as quais você se identifica e boa sorte.

A angústia do diabetes

Não é ‘só’ stress, não é ‘só’ preocupação, não é ‘só’ ansiedade. Não é depressão. Checar as taxas de glicemia, tomar a medicação, injetar insulina, contar carboidratos, atingir as metas na academia ou na corrida, aprender a cozinhar refeições mais saudáveis: uma lista extensa, que pode parecer sufocante, esmagadora. Essa sensação ganhou, recentemente, um nome: angústia do diabetes. Os médicos ainda estão tentando definir melhor essa complicação, mas já sabem de uma coisa: ela pode arrastar-se por meses e anos, drenando sua energia. Logo, precisa de atenção.

A angústia do diabetes pode reunir sinais de depressão, ansiedade e stress, tornando-a difícil de distinguir. O professor Lawrence Fisher, do departamento de Diabetes da Universidade de São Francisco – Califórnia, explica que observou, em seus pacientes, um grande número de pessoas reclamando de stress e tristeza, mas elas estavam longe de uma depressão severa, por exemplo. Já que não estava clinicamente deprimidas, o que será que elas tinham? A resposta era que elas estavam vivendo uma resposta única ao fato de terem que lidar com uma doença crônica.

Essas emoções podem estar relacionadas, por exemplo, ao medo de não conseguir tratamento adequado, ao fato de se sentir doente e à sensação de que as outras pessoas não compreendem o diabetes. De acordo com o pesquisador, que acompanhou pacientes durante um ano e meio, cerca de um terço apresentava esse quadro.

E a angústia do diabetes prejudica justamente o nível de glicose no sangue. As altas taxas de glicose favorecem mais angústia. Se você acredita que “nada funciona” e os “re-médios não funcionam”, é bem provável que se sinta inclinado a não tomar mais a medi-cação. E começa mais um círculo vicioso do diabetes.

Chega!

Para muitas pessoas, a angústia do diabetes não exige tratamento específico. Um passo de cada vez pode ser a solução. Começar na academia e com o novo cardápio ao mesmo tempo pode ser demais logo no primeiro mês. Conversar, procurar psicoterapia e estabelecer metas também são medidas bem eficazes.

Metas, metas, metas. Parece fácil estabelecer metas. Sabemos que não é. O segredo pode estar em estabelecer pequenos objetivos de cada vez, e de forma bem clara. Se você estabelecer intenções vagas, ou fora da realidade - perder muito peso em pouco tempo, por exemplo - pode cair em angústia constante, frustração e tristeza.

Sucesso é qualquer progresso. Sucesso não é apenas alcançar a meta final. Você não pode controlar tudo na vida, mas pode tirar o máximo proveito de todas as oportunidades. Busque ajuda de pessoas com as quais você se identifica.

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

!-

secretaria@diabetes.org.br

-->

SBD nas Redes