Médicos e pacientes defendem ações de prevenção e controle da diabetes no Brasil

Estima-se que existam hoje no Brasil 14,3 milhões de pessoas com diabetes, uma doença crônica na qual o corpo não produz o hormônio insulina ou não consegue empregar adequadamente a que produz.

Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados Carmen Zanotto (2ª E) sugeriu o debate e cobrou cumprimento da lei que garante acesso dos pacientes à insulina e materiais necessários à sua aplicação

Pacientes com diabetes e médicos defenderam, nesta terça-feira (27), em audiência na Câmara dos Deputados, ações mais específicas de prevenção e controle da doença no Brasil. O assunto foi discutido na Comissão de Seguridade Social e Família.

A reclamação de participantes da reunião é que não existe atualmente informação sobre o distúrbio, que muitas vezes não é diagnosticado ou tem diagnóstico tardio.

Eles reclamaram também da diferença de tratamentos ofertados nas diferentes regiões do País e para as distintas classes sociais e, ainda, da falta de acesso a insumos e tratamentos, como as bombas de insulina e a própria insulina.

Obesos e sedentários
A deputada Carmen Zanotto (PPS-SC), que sugeriu o debate, lembrou que uma lei brasileira (11.347/06) já garante o acesso dos pacientes à insulina e materiais necessários à sua aplicação.

“Precisamos saber se isso está acontecendo sem interrupção, se os pacientes têm informação. Precisamos trabalhar também a prevenção, temos uma população cada vez mais obesa e sedentária”, observou a parlamentar, listando alguns dos fatores de risco da doença.

Doença crônica
Estima-se que existam hoje no Brasil 14,3 milhões de pessoas com diabetes, uma doença crônica na qual o corpo não produz o hormônio insulina ou não consegue empregar adequadamente a que produz.

Como a insulina é responsável por controlar a glicose, a consequência são altas taxas de açúcar no sangue. O diabetes pode ser a causa ainda de doenças cardiovasculares, insuficiência renal, cegueira e amputações de membros inferiores.

Alimentação e exercícios
A simples mudança no estilo de vida, com uma alimentação saudável e a prática de exercícios físicos, poderia diminuir o aparecimento da doença em 43%, como destacou o representante do Conselho Federal de Medicina João Modesto Filho. “A grande maioria dos diabéticos tem sobrepeso ou obesidade”, reforçou.

Segundo a presidente eleita da Sociedade Brasileira de Diabetes, Hermelinda Pedrosa, a prevenção passa também pela estratégia da saúde da família, onde pacientes podem ser identificados e encaminhados para centros especializados.

Plano italiano
Da Itália, por meio de videoconferência, a deputada brasileira no Parlamento Italiano Renata Bueno trouxe a experiência de um país que conta com um plano de prevenção do diabetes há 30 anos.

“Há todo um sistema de prevenção, de diagnóstico, com centros de estudo em cada estado para remeter informações ao Ministério da Saúde na Itália. A cada três meses, o paciente é chamado no hospital para fazer um periódico, com um tratamento personalizado. Ele tem também o cartão do diabético, e qualquer farmácia do país recebe os medicamentos necessários para fazer o controle”, relatou Bueno.

Tratamento gratuito
O Brasil também conta com seu plano de enfrentamento de doenças crônicas e assegura tratamento gratuito para o diabetes, como afirmou o coordenador de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas do Ministério da Saúde, Sandro José Martins.

Dados citados por ele apontam para o uso de medicamentos para controle do diabetes por 87,2% da população com a doença. Além disso, o País vem reduzindo em 2,1% ao ano a mortalidade de adultos em idade prematura em decorrência de complicações no diabetes.

A expectativa do ministério é colocar em consulta pública em agosto um protocolo de diretrizes a serem adotadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no cuidado do paciente.

Avanços insuficientes
Para Vanessa Pirolo, representante da Associação de Pacientes com Diabetes (ADJ Diabetes Brasil), no entanto, os avanços listados por Sandro Martins não são suficientes. Diabética há 17 anos, ela disse que muitas vezes o paciente não adere ao tratamento por falta de acesso mesmo.

“Muitas vezes eu me reúno com o Sandro e digo que não está chegando, mas ele diz que as verbas estão sendo disponibilizadas, e os municípios dizem que não estão recebendo. Fica um jogo de empurra”, afirmou.

Projeto de lei Vanessa Pirolo defendeu a aprovação de um projeto de lei (PL 6754/13) em análise na Câmara que trata justamente da implantação de uma política nacional de prevenção do diabetes. A proposta já foi aprovada pela Comissão de Seguridade, onde teve a deputada Carmen Zanotto como relatora, e aguarda agora análise na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

A expectativa do autor do projeto, deputado Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE), é que a Câmara aprove a proposta até novembro, para que ela seja encaminhada ao Senado. “Não se trata de despesa. Além de salvar vidas com a prevenção, faremos economia para os cofres nacionais, ao evitar internações”, disse o parlamentar.

Carmen Zanotto também anunciou a criação de uma frente parlamentar para manter a pauta na Casa. Ainda não há data para instituição dessa frente.


Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Newton Araújo

Fonte: Agência Câmara Notícias

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

!-

secretaria@diabetes.org.br

-->

SBD nas Redes