Informações do Autor

Dr. Augusto Pimazoni Netto
Coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim – Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Estudo recentemente publicado no New England Journal of Medicine, em abril de 2014, nos trouxe a grata notícia da diminuição da incidência de complicações relacionadas ao diabetes nos Estados Unidos. Embora este estudo tenha sido desenvolvido com dados de instituições americanas, não deixa de ser uma novidade autêntica a redução das complicações relacionadas ao diabetes no período de 1990 a 2010. Até que ponto os achados deste estudo poderiam ser aplicáveis à situação brasileira é uma questão bastante controversa.

Os autores avaliaram a incidência das seguintes complicações: amputação de extremidades inferiores, doença renal em estágio final, infarto agudo do miocárdio (IAM), acidente vascular cerebral (AVC) e morte por crises hiperglicêmicas. As taxas relativas a todas as cinco complicações mostraram uma redução entre 1990 e 2010, com um declínio relativo mais expressivo na ocorrência de IAM (-67,8%) e nas mortes por crises hiperglicêmicas (-64,4%), seguidas pela redução da ocorrência de AVC (-52,7%) e de amputações (-51,4%). A menor redução aconteceu em relação à doença renal em estágio final (-28,3%). O maior declínio absoluto foi no número de casos de IAM (com 95,6 menos casos por 10.000 pessoas) e o menor declínio absoluto foi no número de mortes por crises hiperglicêmicas. As taxas de redução foram mais amplas entre os adultos com diabetes, em comparação com adultos sem diabetes, levando a uma redução no risco relativo de complicações associadas ao diabetes. Quando expressas como taxas para uma população geral, na qual uma alteração na prevalência também afeta as taxas de complicação, houve um declínio nas taxas de IAM e de morte por crises hiperglicêmicas (2,7 e 0,1 menos casos por 10.000 pessoas, respectivamente), o que não aconteceu com as taxas de amputação, AVC e doença renal em estágio terminal.

Os autores concluem que as taxas de complicações relacionadas ao diabetes diminuíram substancialmente durante as duas últimas décadas, mas um grande impacto negativo da doença ainda persiste em função do aumento continuado da prevalência do diabetes.

Fonte:

1. Gregg EW, Li Y, Wang J et al. Changes in Diabetes-Related Complications in the United States, 1990-2010. N Engl J Med 2014;370:1514-1523.
DOI: 10.1056/NEJMoa1310799

VOLTAR