Conforme mencionamos em artigo anterior aqui na SBD, a PROTESTE realizou avaliação de alguns produtos contendo Wheyprotein, constatando disparidade entre a composição real de tais produtos e as informações da embalagem.

Posteriormente a essa avaliação, em 28/02/2014 a ANVISA proibiu a venda de 20 produtos, procedentes de 14 fabricantes. Dos 20 produtos proibidos, 19 continham mais carboidratos do que o informado no lote e 1 continha menos, o que pode ser considerado como fraude e trazer riscos à saúde de muitos usuários, dentre eles principalmente diabéticos e mais ainda, os que utilizam tratamento por contagem de carboidratos. Além disso, muitos desses produtos contêm soja sem a menção da mesma nas embalagens, o que pode trazer riscos à saúde de indivíduos com alergia a esse alimento.

São eles:

- Super Nitro Whey NO2 – American Line Suplements

- 3W – Fast Nutrition

- Whey Protein Optimazer – Cyberform

- Whey NO2 Pro Baunilha – Pro Corps

- Whey NO2 Pro – Pro Corps

- Whey 5W Pro – Pro Corps

- Ultra Pure Whey - Isolate Whey - Nutrilatina Age Superior

- Extreme Whey Protein - Solaris

- Extreme Whey Protein – Solaris

- 100% Ultra Whey – Ultratech Supplements

- Bio Whey Protein – Performance

- Peter Food – Whey NO2 - Creatine

- 100% Whey Xtreme – Pharma

- Super Whey 100% Pure – IntegralMedica

- Super Whey 3W – IntegralMedica

- Fisio Whey Concentrado NO2

- Designer Whey Protein

- Muscle Whey Proto NO2 - Neo Nutri

- Whey Protein 3W – DNA Design Nutrição Avançada

- Isolate Whey – Neo Nutri.

Antes dessa proibição, a ANVISA também tinha proibido o uso de 4 suplementos alimentares por irregularidades para a distribuição no Brasil.

O primeiro deles, Alimento para Atletas da marca ISOFAST-MHP, fabricado por Maximum Human Performance Inc. e importado por Macroex Comercial Importadora e Exportadora Ltda, foi suspenso por apresentar BCAA (aminoácidos de cadeia ramificada) e por não se enquadrar em nenhuma das classificações previstas pela agência.

O Suplemento de Cafeína para atletas, marca ALERT 8-HOUR-MHP, fabricado por Maximum Human Performance Inc. e importado por Macroex Comercial Importadora e Exportadora Ltda, foi suspenso por conter taurina em sua composição, que acelera o metabolismo.

O produto Carnivor, fabricado por MuscleMeds e distribuído por Nutrition Import Comércio Atacadista de Suplemento Ltda, foi suspenso por apresentar teores de vitamina B12 e B6 acima da ingestão diária recomendada (1.600% de vitamina B12 e 325% de vitamina B6, o que no Brasil  já seria considerado um medicamento) e por apresentar as substâncias glutamina alfa-cetoglutarato (GKC), ornitina alfa-cetoglutarato (OKG), alfa-cetoisocaproato (KIC), que não foram avaliadas quanto à segurança de consumo como alimentos.

Por fim, o produto Probolic-SR-MHP, fabricado por Maximum Human Performance Inc. e importado por Commar Comércio Internacional Ltda, foi suspenso por não haver comprovação de segurança de uso.

É bom estarmos atentos para os riscos do uso indiscriminado de suplementos alimentares, satisfeitos por saber que as autoridades fiscalizadoras também se encontram atuantes para manter o controle sobre tais produtos.

Links:

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2014/02/28/interna_brasil,415235/anvisa-proibe-venda-de-20-lotes-de-suplemento-de-proteina-para-atletas.shtml

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2014/02/17/interna_brasil,413213/anvisa-proibe-venda-de-quatro-suplementos-alimentares-para-atleta.shtml

VOLTAR

Informações do Autor

Dr. Edson Perrotti
Médico Endocrinologista
Mestre em Nutrição pelo PPGNUT – UFAL
Delegado da SBD – AL
Vice coordenador do Departamento de Atividades Físicas da SBD