SOPeD: Sistema de orientação ao Pé Diabético e software de exercícios para pés e tornozelos

São Paulo, maio de 2021. Os pés de um indivíduo com diabetes são os principais alvos de complicações biomecânicas que, muitas vezes, podem resultar na perda de mobilidade articular, fraqueza da musculatura do pé e perda de sensibilidade. Nesse sentido, o Sistema de Orientação ao Pé Diabético (SOPeD) surge com o objetivo de lidar com um dos maiores problemas quando se pensa na pessoa com diabetes mellitus: prevenir e combater os déficits musculoesqueléticos e sensoriais oriundos da neuropatia diabética e também possibilitar um programa de exercícios personalizados para pés e tornozelos das pessoas com diabetes. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), até 2030, mais de 550 milhões de pessoas apresentarão a doença e, pelo menos, 25% delas terão algum comprometimento significativo nos pés. 



O software SOPeD

O início do projeto do software data de 2013, quando foi finalizado um ensaio clínico que investigou a eficácia da fisioterapia para pés e tornozelos para pessoas com diabetes. Nesse primeiro momento, o foco do projeto SOPeD estava na ampliação da fisioterapia para as pessoas com diabetes. Ou seja, ir além de sessões individualizadas e dar a possibilidade de o paciente ter autonomia e fazer os exercícios de forma independente. Desde então, o projeto passou pela finalização do mestrado da Dra. Jane Ferreira sob orientação da Prof. Dra. Cristina Sartor, no qual foi desenvolvido, validado e sua usabilidade testada. Após a conclusão, o SOPed continuou frequentemente sendo aprimorado. Hoje, o programa é utilizado em países como Estados Unidos, Alemanha, Portugal, Polônia e Holanda.

 

“O software vem sendo aprimorado com o tempo. Conforme os usuários entram e interagem é possível saber o que pode ser melhorado” explica a Dra. Isabel Sacco, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente, o programa é utilizado em conjunto com o médico e fisioterapeuta, mas o intuito é que até o fim do ano ele possa ser usado de maneira independente da fisioterapia presencial. “O intuito é testar se o software, independente da fisioterapia presencial, é tão eficaz para a melhora dos sintomas e sinais da neuropatia diabética e também na melhora da independência e autonomia dos pacientes na performance de atividades da vida diária.” 



Como utilizar o software

É possível baixar o programa por meio de lojas de aplicativos do celular ou acessá-lo por meio do navegador da internet. Após o download, é necessário realizar quatro passos para o uso ideal da ferramenta:

 

  1. Preencher o formulário de dados pessoais 

Clique em "Não tenho cadastro" e preencha o formulário de dados para o acesso. Os campos mais importantes são o e-mail e a senha de acesso, que deverão ser informados para que suas atividades sejam salvas.

 

  1. Responder ao questionário de autoavaliação

Os questionários de autoavaliação são fundamentais para acompanhar o estado de saúde dos pés. Além disso, os exercícios são liberados somente após a conclusão da autoavaliação. É por meio dela que se verifica se a pessoa interessada dispõe de condições para realizar os exercícios aqui propostos e não tem nenhum fator de risco claro para úlceras.

 

  1. Iniciar os exercícios

Caso a pessoa esteja apta a realizar os exercícios disponibilizados no software, ela pode começar a usufruir a dinâmica proposta pelo app e software. Este jogo inclui exercícios específicos para os pés. É importante que o usuário se dedique e procure manter-se no topo – essa classificação se dará a partir do desempenho nos exercícios (não apresentando relação direta com a quantidade de exercícios e repetições executadas). 

 

  1. Acompanhar a sua evolução

Todas as avaliações ficam disponíveis no painel do software, facilitando o acompanhamento da evolução. É possível ainda acompanhar todas as atividades realizadas por meio da linha do tempo.

 

Acesse o programa! 

 

Conheça o estudo com os testes do software.

Acompanhe

Copyright © 2020 - Sociedade Brasileira de Diabetes