Aplicabilidade clínica da Hemoglobina Glicada na evolução do paciente com hiperglicemia hospitalar

Introdução: A hiperglicemia hospitalar e um evento frequente desencadeado em pacientes com ou sem diabetes. A hemoglobina glicada (HbA1c), proporciona diferenciação entre hiperglicemia ocasionada devido variabilidade glicêmica secundaria a outros fatores da internação ou diabetes mellitus sem diagnostico prévio. Sendo assim, em virtude dos efeitos deletérios desencadeados pela hiperglicemia, justifica nosso interesse na avaliação da HbA1c e sua relação com a evolução clinica dos pacientes internados, apresentando ou não diagnostico de DM.

Objetivo: Utilizar a HbA1c como ferramenta diagnóstica e preditiva da evolução clínica de pacientes com e sem diagnostico de diabetes mellitus, avaliada durante período de internação hospitalar e sua relação com as complicações hospitalares.

Método: Análise da HbA1c de 100 pacientes com hiperglicemia hospitalar internados no Hospital Samaritano por outras patologias clínicas em um período de um ano. De acordo com o American Diabetes Association (ADA) definiu - se como hiperglicemia hospitalar valores glicêmicos acima de 140 mg/dl avaliadas pelo protocolo institucional NUMAD (Núcleo Multidisciplinar de Atendimento ao Diabético). Foi utilizado método HPLC, com certificado do The National Glycohemoglobin Standardization Program. A hiperglicemia hospitalar foi verificada pela glicemia capilar através do glicosímetro Precision XTra (Abbott ), aprovado pela FDA (Food and Drug Administration).


Resultado: Foram 100 pacientes com media de idade de 63,15 anos, sendo que 75% apresentava diagnostico prévio de DM, e dos 25% com hiperglicemia, mas sem diagnostico prévio, 52% foram diagnosticados com DM. Os pacientes sem diagnostico prévio de DM apresentaram HbA1c entre 5,8% e 7,5%, com a mediana do tempo de internação de 9 dias, sem complicações. Os pacientes com DM que evoluíram com complicações apresentaram HbA1c entre 7,3% e 12,4% e correspondiam a 20% do estudo, com tempo de internação de 34,5 dias. Os pacientes com DM sem complicações apresentaram HbA1c entre 5,9% e 11,5% com tempo de internação de 11,12 dias. As complicações foram infecções pulmonares (50%), choque septico (15%), infecção de pele (15%), infecção trato urinário (10%), renal (10%).

Discussão: Nosso estudo demonstrou que o aumento da HbA1c foi proporcional ao aumento das complicações hospitalares independente da patologia associada do paciente. Os efeitos deletérios da hiperglicemia comprometeram a imunidade e cicatrização, aumento do stress oxidativo, disfunção endotelial, aumento de fatores pró-inflamatórios e pró-trombóticos, aumento da mitogênese, alterações hidroeletrolíticas e potencial exacerbação de isquemia miocárdica e cerebral, proporcionando assim o aumento dessas complicações.

Conclusão: A analise da HbA1c apresenta-se como um parâmetro importante para avaliar o tempo de internação e o risco de complicações hospitalares independente da patologia do paciente.

* Link artigo completo: http://oatext.com/Clinical-applicability-of-glycated-hemoglobin-in-the-evolution-of-patients-with-hospital-hyperglycemia.php

VOLTAR

Informações dos Autores

Beatriz Dal Santo Francisco Bonamichi
Carolina Ferraz
João Eduardo Nunes Salles
Adriano Namo Cury
Rubens Aldo Sargaço