Por quem sonha Anna Maria?


Dr. Augusto Pimazoni Netto
Coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim – Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

“Na alameda da poesia
Chora rimas o luar
Madrugada e Ana Maria
Sonha sonhos cor do mar
Por quem sonha Ana Maria,
Nesta noite de luar?”... 

JUCA CHAVES, 1960. 

Um dos maiores poetas e um dos mais sarcásticos humoristas da década de 60, Juca Chaves também era conhecido como “O Menestrel Maldito”, tendo influenciado várias gerações com sua arte suprema. Uma de suas mais notáveis criações foi a canção romântica “Por quem sonha Ana Maria?”, onde ele fala exatamente sobre aquela gostosa sensação de sonhar com o amor, a emoção e, por que não, sonhar também com um mundo melhor. 

Como todo septuagenário que se preze, um de meus passatempos favoritos é o de relembrar com saudades de vivências gratificantes e inesquecíveis que marcaram a nossa vida. Lembrei-me dessa canção ao me dar conta de que muitos  pacientes e profissionais de saúde  talvez nem se lembrem de uma figura das mais marcantes nos estágios iniciais da educação em diabetes no Brasil: a nossa querida Anna Maria Ferreira, Gerente Administrativa da Sociedade Brasileira de Diabetes. 

Anna Maria foi a fundadora da ADJ – Associação de Diabetes Juvenil em 1981. Com sua inteligência, competência e dedicação, Anna Maria parecia apenas uma sonhadora em querer implantar a educação em diabetes no Brasil. Em 1984 eu era Diretor Médico e de Marketing da Divisão Diagnóstica Ames, da Miles do Brasil, empresa que lançou no Brasil o famoso Dextrostix e o igualmente famoso monitor de glicemia, o Glucometer. Nossa principal estratégia era a de promover a educação em diabetes no Brasil, incentivando a prática da automonitorização glicêmica, ainda amplamente ignorada em nosso país. 

Quando conheci Anna Maria, verifiquei que ela já estava trabalhando muito na promoção da educação em diabetes, de forma voluntária, como Presidente da ADJ. Então convidei a ela para ser a Gerente de Serviços Educacionais, uma vez que tínhamos objetivos idênticos e, assim, poderíamos potencializar nossos esforços por essa causa. Ela aceitou e por vários anos apresentou um desempenho excepcional, tendo ocupado cargos gerenciais importantes na Bayer do Brasil, empresa que adquiriu a Miles. 

Lembro-me de várias passagens que ilustram o currículo profissional de Anna Maria. Na verdade, foram muitas as vitórias que alcançamos durante nossa conjugação de esforços. Naquela época, os refrigerantes à base de adoçantes artificiais como a sacarina e ciclamato estavam proibidos no Brasil e nossas crianças com diabetes  estavam privadas dessa experiência tão significativa: experimentar as delícias de refrigerantes dietéticos, sem maiores limitações. A Argentina produzia um refrigerante tipo cola, artificialmente adoçado, mas com um gosto de purgante. Mas era a única opção disponível no mercado. Até que uma indústria do interior de São Paulo decidiu enfrentar essa imposição legal de banimento de refrigerantes dietéticos e lançou no Brasil os primeiros produtos dessa linha. Entusiasmados com a coragem e a determinação dessa empresa, Anna Maria e eu decidimos visitar a indústria, voluntariamente, e sem aviso prévio. Quando lá chegamos, foi um alvoroço na empresa, pois fomos confundidos como fiscais do Ministério da Saúde. Depois de tudo bem esclarecido, festejamos a nossa visita e nos propusemos a dar total apoio a essa indústria.

Felizmente ou infelizmente, Anna Maria continua sonhando com um mundo melhor para todas as pessoas com diabetes, o que pode ser comprovado pelos seus quase 30 anos de dedicada atuação empresarial na área de diabetes. E por que o “infelizmente”? Pelo fato de a educação em diabetes ainda estar longe do ideal, depois de tantos anos e de tantos profissionais envolvidos nessa missão. Continuamos a priorizar os tratamentos farmacológicos em detrimento das intervenções educacionais, absolutamente indispensáveis para que o tratamento farmacológico efetivamente funcione.

Afinal de contas, Anna Maria ainda é e sempre será uma sonhadora dedicada à sua causa. Da mesma forma, um pequeno contingente de sonhadores dedicados continua fiel a seus ideais de promover uma vida melhor às pessoas com diabetes. Algum dia ainda venceremos...