O tabagismo aumenta o risco de diabetes?


Dr. Augusto Pimazoni Netto
Coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim – Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

A luta contra o tabagismo já chegou em seu 50º aniversário e, por isso, mereceu um relatório especial do Centers for Disease Control and Prevention, dos Estados Unidos, o qual trouxe novas informações que sugerem que o tabagismo não é apenas maléfico para o diabetes mas, também, atua como um fator causal para o desenvolvimento do diabetes. Esta nova informação deriva de uma metanálise de 24 estudos prospectivos, abrangendo 3,9 milhões de indivíduos, que não apresentavam diabetes no início da observação. O estudo indicou que os fumantes ativos têm um risco de 30% a 40% maior para desenvolver DM2 em comparação com os não fumantes.

Alguns dos estudos considerados compararam os dados de pessoas que nunca fumaram com ex-fumantes, incluídos nas categorias de fumantes leves (0-15 cigarros/dia) e fumantes pesados (>15 cigarros/dia). Em comparação com aqueles que nunca fumaram, o risco relativo de desenvolver diabetes foi 14% maior em ex-fumantes, 25% maior em fumantes leves e 54% maior em fumantes pesados.

Outros estudos procuraram avaliar quantos anos seriam necessários para que o risco do fumante atual fosse reduzido para o nível de risco de um não fumante, após a interrupção do tabagismo. Os resultados de um grande estudo indicaram que essa redução de risco somente se materializaria após 12 anos de interrupção do tabagismo. Outros estudos indicaram que esse lapso de tempo seria de 5 anos para mulheres e de 10 anos para homens.

O relatório também tenta identificar os mecanismos em potencial através dos quais o tabagismo coloca as pessoas numa categoria de risco maior para o desenvolvimento do diabetes. Algumas dessas razões podem incluir a promoção da obesidade central, as concentrações mais altas de cortisol nos fumantes, bem como o aumento de marcadores inflamatórios e do estresse oxidativo causados pelo hábito de fumar. A nicotina pode também se ligar a receptores nicotínicos das células pancreáticas e, assim, reduzir diretamente a secreção de insulina.

Fonte:  Centers for Disease Control and Prevention. 50th Anniversary of the First Surgeon General’s Report on Smoking and Health. January 17, 2014 / 63(02);29-29. Disponível em: The Health Consequences  of Smoking—50 Years of Progress. Acesso em 07 de abril de 2014.

VOLTAR