Fibra dietética melhora a primeira fase da secreção insulínica em indivíduos com sobrepeso


Dra. Anelena Seiffarth
Nutricionista Especialista em Nutrição Clínica

Um grupo de pesquisadores (Bodinham et al., 2012) da Universidade de Surrey, Inglaterra, conduziu um  interessante estudo sobre o efeito do amido resistente na secreção insulínica, com ênfase na sua ação na primeira fase de secreção. Estudo anterior já havia demonstrado efeitos desta fibra dietética no aumento da sensibilidade à insulina, na melhora no clearance hepático  de insulina e menor resposta insulínica  pós prandial.

Doze indivíduos com sobrepeso, com risco de desenvolver diabetes tipo 2 por apresentarem resistência à insulina, participaram do estudo randomizado, duplo-cego por quatro semanas, consumindo um composto contendo 40g de amido resistente ou placebo (isoenergético e isoglicídico). No fim de cada período de intervenção foi possível verificar que as concentrações de insulina e peptídeo-C estavam significativamente maiores após o consumo de amido resistente e a primeira fase da secreção da insulina estava significativamente aumentada (36% a mais em relação ao placebo). Também foi observada tendência a melhor efetividade glicêmica. Os resultados aconteceram sem mudanças no peso, nos hábitos alimentares e lipídios sanguíneos.

A perda da primeira fase de secreção insulínica está presente no diabetes tipo 2 e intervenções dietéticas  como esta podem  ter importantes implicações clínicas. O aumento na secreção observado é semelhante ao verificado com o uso das sulfoniluréias, indicando que o amido resistente potencialmente pode auxiliar na prevenção da progressão da intolerância à glicose para o diabetes tipo 2. Os autores ressaltam que são necessários mais estudos para entender os mecanismos de ação do composto com amido resistente e seus efeitos em portadores de diabetes tipo 2.

O amido resistente caracteriza-se por ser um componente alimentar resistente à digestão sendo fermentado no intestino grosso, especialmente pelas bifidobactérias, sendo  em função disto um importante prebiótico. Já foi bem demonstrado que alimentos contendo amido resistente apresentam menor índice glicêmico, com implicação também na saciedade. Este componente é encontrado naturalmente em alimentos como feijões, ervilha, grão de bico, sementes e grãos. Uma fonte importante de amido resistente é a banana verde, cujo os benefícios têm sido mencionados em artigos anteriores. Além de estar presente nos alimentos, a indústria alimentícia vem desenvolvendo compostos com amido resistente que podem ser adicionados aos produtos, melhorando a qualidade dos mesmos.

Embora com um número de participantes relativamente pequeno o estudo vem corroborar com os achados anteriores sobre o tema, apontando para mais uma ação benéfica do amido resistente.

Ler mais

Dietary  Fibre Improves First-phase Insulin Secretion in Overweight Individuals . Caroline L. Bodinham, Leanne Smith, John Wright, Gary S. Frost, M. Denise Robertson. PLoS ONE July 2012, Volume 7, Issue 7.

Amido resistente, a última geração no controle de energia e digestão saudável
Resistant starch, the latest generation of energy control and healthy digestion
Karla Dellanoce PEREIRA. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 27(supl.): 88-92, ago. 2007

VOLTAR

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes