Saúde Bucal e Diabetes


Dra. Janice Sepúlveda Reis
Endocrinologista - Coordenadora do Ambulatório de Diabetes Tipo 1 da Santa Casa de BH
Doutora em Clínica Médica pelo Instituto de Ensino e Pesquisa da Santa Casa de Belo Horizonte
Coordenadora do Mestrado Profissional em Educação em Diabetes - IEP - Santa Casa de BH

O diabetes pode influenciar na saúde da boca, assim como as doenças da cavidade oral podem prejudicar o controle da glicemia. Atenção!

Assim como acontece em qualquer infecção, a doença periodontal pode dificultar o controle do diabetes. Mais do que isso, ela está ligada ao controle metabólico de modo bidirecional, influenciando e sofrendo influência do diabetes.

As doenças mais comuns na boca são:

1- Gengivite: é um estágio inicial da doença gengival e se caracteriza por gengivas vermelhas, inchadas ou flácidas e que podem sangrar durante a escovação ou o uso do fio dental.

2- Periodontite: é a progressão da gengivite não cuidada e que ataca e com o tempo destrói as estruturas que envolvem e sustentam os dentes, atingindo a gengiva, o osso da boca e a raiz do dente.

Outras doenças da boca:

HALITOSE (mau hálito): o portador de diabetes descontrolado pode apresentar odor semelhante ao cheiro de maçã podre (hálito cetônico). Também pode ser causada por higiene bucal inadequada (falta de escovação correta e falta do uso do fio dental), gengivite, cigarro, produtos alcoólicos e boca seca (causada por certos medicamentos e por menor produção de saliva durante o sono)

XEROSTOMIA (boca seca): a boca fica sem saliva, sendo esse quadro geralmente associado com aumento da ingestão de água e aumento do volume de urina, que podem estar relacionados à descompensação da glicemia.

Veja os cuidados para manter a saúde bucal:

  • Faça uma avaliação com dentista de 6 em 6 meses.
  • Informe ao seu dentista que você é diabético e as medicações que utiliza.
  • Faça glicemia capilar antes, durante (se durar mais de 1 hora) e após o atendimento, caso faça uso de insulinas.
  • Glicemias abaixo que 100 mg/dl antes de iniciar o tratamento: comer 15 gramas de carboidratos antes de iniciar o tratamento (01 barra de cereais, 01 copo de suco de frutas, meio pão francês);
  • Em caso de procedimentos como limpeza de tártaro, tratamento de cáries ou procedimentos em que não seja necessário “abrir” a gengiva, você pode e deve fazê-lo o quanto antes, pois isto irá ajudar no controle da sua glicemia.
  • Os procedimentos que exigirem cirurgia na gengiva devem ser acompanhados de monitorização glicêmica rigorosa e se possível, devem ser adiados até o bom controle do diabetes.
  • ATENÇÃO: o seu apetite pode diminuir nestes dias por causa da dor: CUIDADO COM HIPOGLICEMIAS!

VOLTAR