Insulina Inteligente. Uma nova descoberta


Dr. Márcio Krakauer
Médico, coordenador do núcleo digital da SBD
Presidente da ADIABC
Endocrinologista colaborador do site da SBD

Imagine uma insulina aplicada no subcutâneo como as atuais, porém que só funcione quando a glicemia estiver elevada, e pare de funcionar em caso de glicemias mais baixas. Será possível? Pois é, o desenvolvimento de novas tecnologias parece ser capaz de quase tudo. Estas são as chamas “SmartInsulins”, ou insulina inteligente.

Ainda em fase muito precoce de estudos, a SmartInsulin, é a junção das insulinas de ação lenta ou Ultra-rápidas com polímeros desenvolvidos especialmente para essa finalidade. Engenheiros da empresa SmartCells de Massachusetts (MIT) desenvolveram um polímero biodegradável com moléculas de ligação que se ligam à insulina e a prendem até o nível da glicose elevar-se até um certo patamar. Quando atinge este patamar o polímero libera insulina para corrente sanguínea. Este processo ocorre por causa de algo chamado de "ligação competitiva". Quando a glicose está baixa a insulina se liga ao polímero. Quando a glicose fica mais alta, a insulina liga-se então às moleculas de glicose.

As pesquisas encontram-se em fase pré-clínica, e estudos em animais mostraram-se promissores. Injetaram SmartInsulin em Animais, injetaram glicose para simular uma refeição. Acompanharam as glicemias com sensors de glicose, e os resultados foram extremamente animadores, mostrando que este tipo de insulina pode "sentir" as flutuações da glicemia e corrigí-las.

As aplicações serão feitas 1 vez ao dia via subcutânea com as mesmas agulhas usadas atualmente, e esta tecnologia está sendo testada também para tratamentos de Tireóide, Hormônio de Crescimento e Infertilidade.

Toda esta pesquisa tem um fundo de patrocínio vindo da JDRF – Juvenile Diabetes Research Foundation Internacional, Entidade seríssima de apoio a pesquisa e educação em diabetes tipo 1 (http://www.jdrf.org / http://www.jdrf.org/index.cfm?page_id=111057).

Ainda não temos a cura, mas certamente este tipo de desenvolvimento tecnológico vem ajudar e muito os diabéticos, principlamente tipo 1 que tanto necessitam de novidades para melhorarem seu controle glicêmico sem correr riscos de hipoglicemia, sem dúvida o maior desafio do tratamento.

VOLTAR

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes