Celular e web ajudam a tratar crianças diabéticas à distância


Dr. Márcio Krakauer
Médico, coordenador do núcleo digital da SBD
Presidente da ADIABC
Endocrinologista colaborador do site da SBD

Em vídeo, a enfermeira Taisa Barissa usa urso para ensinar crianças a injetar a insulina. Débora Mismetti, Editora Assistente de saúde, “Hora de almoçar”, diz o celular. “Hora de medir a glicemia”, apita de novo. Em resposta, a criança diabética ou quem cuida dela envia o resultado da taxa de açúcar no sangue a uma central.

Se o número estiver muito alto, o médico é avisado e toma providências, como mudar recomendações sobre a alimentação da criança. A tecnologia para tornar esse cuidado remoto uma realidade está sendo desenvolvida pela ONG Pró-Crianças e Jovens Diabéticos, que dá apoio a crianças pobres com  Diabetes tipo 1 em São Paulo e Minas Gerais. O projeto, chamado Zelous, é patrocinado por uma empresa de telefonia celular e tem a colaboração de profissionais da área médica e de tecnologia da Unicamp. O sistema de medicina à distância envolve também a criação de prontuários virtuais com todos os dados do paciente e de sua família, acessáveis gratuitamente pelos médicos na internet.

O programa de computador que compila os dados é de domínio público. Claudia Filatro, 45, presidente da ONG e mãe de um menino de 11 anos diabético desde os três, diz que a maioria dos doentes não tem a doença sob controle, ainda mais no caso das crianças atendidas pela entidade, cujas famílias não têm dinheiro para comprar os alimentos dietéticos. "Com esse sistema, vamos aproximar a criança do médico", diz Filatro.

Os primeiros testes devem começar no ano que vem, com crianças atendidas pela ONG. De acordo com o endocrinologista Walter Minicucci, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes, que assessora o programa como voluntário, o ideal seria que a rede pública adotasse o sistema. "Isso não é fácil, mas o desenho do projeto está caminhando bem", afirma. Além dos cuidados remotos, a ONG está preparando aulas em vídeo para serem transmitidas pela internet para crianças e pais sobre como lidar com a doença, como com as injeções de insulina. Nos Estados Unidos, um projeto semelhante, mas que engloba adultos diabéticos está sendo testado em um hospital de Washington.

VOLTAR