Qualidade Dietética Associada com Diabetes e Fatores de Risco Cardiometabólico


Dra. Maria Goretti
Nutricionista Professor Adjunto-Departamento de Nutrição - Universidade Federal de Pernambuco-UFPE
Membro do Departamento de Nutrição da SBD 2014/2016

Artigo comentado: The Journal of Nutrition,139: 1-9, February 11, 2009 Sarah A. McNaughton, David W. Dunstan, Kylie Ball, Jonathan Shaw and David Crawford School of Exercise and Nutrition Sciences, Deakin University, Melbourne, 3125, Australia and Baker IDI Heart and DiabetesInstitute, Caulfield, Victoria, Australia 3162

Pesquisas relacionando o efeito do consumo alimentar em doenças crônicas têm sido direcionadas no papel de cada um dos alimentos e/ou nutrientes. Por outro lado, existe um interesse crescente na avaliação de padrões alimentares como importantes determinantes de doenças crônicas, já demonstrados por Newby e Turckeer em 2004 e Waijers et AL, em 2007.

O padrão alimentar de grupos populacionais vem mostrando efeitos diversos da dieta através da interação de componentes alimentares, onde o equilíbrio entre componentes benéficos e prejudiciais pode ter importância significativa.

Este estudo de caráter transversal teve como objetivo investigar a associação entre a qualidade dietética (padrão alimentar como um todo), diabetes e fatores de risco cardiometabólicos, onde se avaliou 7441 pessoas com pré-diabetes e pessoas com diabetes recém-diagnosticadas, de ambos os sexos, com idade maior ou igual a 25 anos, residentes em áreas rurais e urbanas da Austrália.

Analisou-se qualidade dietética através da frequência de consumo de alimentos e índices dietéticos, este último utilizando escores alimentares determinados através de guidelines de alimentação saudável para adultos australianos. Associação de qualidade dietética e diabetes, pré-diabetes e fatores de risco cardiometabólico foram investigados utilizando o método estatístico de regressão linear e análise de regressão logística, com ajustes para idade, educação, tabagismo, atividade física, sedentarismo e IMC.

Os resultados evidenciaram associação positiva entre qualidade dietética e pressão sistólica e diastólica reduzida em homens, reduzida glicemia de jejum em homens e mulheres, além de baixa pressão sistólica, insulinemia de jejum, glicemia pós-prandial e aumento da sensibilidade insulínica nas mulheres. 

Qualidade dietética elevada mostrou-se inversamente associada com obesidade abdominal, hipertensão e diabetes tipo 2 em homens. 

Diante do exposto, os autores concluíram que o consumo alimentar fora dos padrões estabelecidos pelos guidelines dietéticos, foi associado com diabetes tipo 2 e fatores de risco cardiometabólico. Ao mesmo tempo sugerem que futuros estudos longitudinais devem ser realizados para determinar como estes índices dietéticos têm validade preditiva no que diz respeito à saúde.

Comentários:

A pesquisa é uma das primeiras investigações internacionais que avalia a associação do padrão alimentar com diabetes, de ambos os sexos, utilizando dois métodos de avaliação dietética de grande rigor metodológico, diferentemente de outras publicações atuais.

Estudos de consumo de alimentos analisados através de padrões alimentares têm focado, principalmente, câncer e doenças cardiovasculares, com poucos autores preocupados com diabetes tipo 2 (Fung et al 2007; Hodge et al, 2007; Montonen et al, 2005; Baxter et al 2006; Van Dam et al 2002); apenas o trabalho de Fung (Fung et al 2007), utilizou qualidade dietética em mulheres com diabetes, a partir da frequência de consumo alimentar.

Neste trabalho, os autores desenvolveram um index baseado nos guidelines dietéticos para adultos australianos e no guia de alimentação saudável do país, para refletir um ótimo padrão alimentar; este index foi validado previamente como medida de qualidade dietética adequada, sendo de suma importância a associação de dois métodos de anamnese alimentar, o que evita erros significativos nos resultados da pesquisa.

A ingestão dietética constou de análise de frequência de consumo alimentar (QFA), utilizando-se 74 itens, de uso regular dos adultos nos últimos 12 meses, com 10 opções de respostas, o que faz o paciente não esquecer refeições/preparações, como normalmente acontece quando os trabalhos são realizados por pesquisadores sem experiências nesta prática.

O questionário também incluía perguntas relacionadas à ingestão de grupos alimentares individualmente, como plásticos, reguladores e energéticos, além da qualidade das gorduras do próprio alimento e alimentos de adição nas preparações. O QFA ainda continha padronização de porções e foi validado, previamente, usando recordatório alimentar de 7 dias.

A avaliação da qualidade dietética foi medida pela metodologia do index dietético e contou com 15 itens, além de alimentos isolados como sal e aqueles não nutricionais (alto teor de gordura, sal e açúcar refinado). Ao mesmo tempo, este index dietético tem sido validado na população australiana, não mostrando associação com fatores sociodemográficos, comportamento alimentar, assistência de saúde e ingestão de nutrientes chaves.

Alguns pontos são bastante relevantes neste estudo de grande rigor metodológico do ponto de vista nutricional: ambos os sexos, adultos com ampla faixa etária, onde são calculados percentuais de adequação por sexo e idade, levando em consideração que o estudo foi um corte transversal de uma pesquisa nacional de diabetes, obesidade e estilo de vida, com uma amostra total de 11.247 indivíduos da área rural e urbana, o que evitou viés nas dietas típicas de cada área.

Pesquisa muito importante no momento atual, onde dietas ricas em gorduras, sejam elas saturadas ou insaturadas, ou aquelas exclusivamente orientadas com alimentos protéicos e lipídicos e, consequentemente ricas em sódio, vêm sendo adotadas em tratamentos do diabetes; ao mesmo tempo reforça a importância da anamnese alimentar como ponto inicial da dietoterapia.

*Doutora e Mestre em Nutrição pela UFPE, Especialista em Nutrição Clínica pela ASBRAN, Educadora em Diabetes pela SBD/JOSLIN, Nutricionista do Serviço de Diabetes do HC - Universidade Federal de Pernambuco, Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD 2008/2009.

VOLTAR