Tae Ho Kim, Seong Su Lee, Ji Han Yoo, Sung Rae Kim, Soon Jib Yoo, Ho Cheol Song,

Yong-Soo Kim, Euy Jin Choi, Yong Kyun Kim*

Diabetology & Metabolic Syndrome 2012, 4:3 (3 February 2012)

 

Comentários -

Prof Marília de Brito Gomes, PhD

Professora Associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Alessandra Saldanha de Mattos Matheus, MD, Msc

Professora Substituta do Serviço de Diabetes- Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Recentemente, o ácido úrico vem sendo estudado devido a sua associação com o risco cardiovascular e doença renal. Achados in vivo e in vitrosugerem que elevados niveis de ácido úrico podem contribuir para a disfunçao endotelial por alterar a biodisponibilidade do oxido nitrico. Além do risco cardiovascular, a hiperuricemia  vem sendo apontada como responsável no desenvolvimento das alterações metabólicas presentes em diversas patologias, dentre elas a obesidade e o Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2).

A adiposidade...


O manuscrito "The effectiveness of educational practice in diabetic foot: a view from Brazil", publicado em Diabetology&Metabolic Syndrome 2010, 2:45 (29 June 2010) aborda um importante tema no campo da diabetologia: a prevenção de ulcerações em pés de pacientes diabéticos com risco para complicações microvasculares.

O diabetes constitui a causa mais frequente de amputações não traumáticas de membros inferiores. Sabemos que cerca de 85% das amputações são precedidas por ulcerações e que cerca de 14 a 20% dos pacientes com ulcerações serão submetidos a amputações. No entanto, apenas 12% dos médicos examinam os pés de pacientes diabéticos assintomáticos.

Os pacientes diabéticos que evoluem com ulcerações/amputações de membros inferiores cursam com alterações na qualidade de vida, elevação de morbi-mortalidade, além de elevação dos custos diretos, relacionados com o tratamento desta complicação e dos custos indiretos, associados com absenteísmo e aposentadoria precoces.

O artigo comenta sobre a prevalência de ulcerações em pacientes...

A obesidade é considerada, epidemiologicamente, como um grave problema de Saúde Pública. Atualmente confirmou-se sua associação com componentes da Síndrome Metabólica e aumento do risco cardiovascular. Na base etiológica da SM há uma complexa interação entre fatores genéticos, ambientais e comportamentais. Na população escolar e mesmo pré-escolar já se observa o mesmo perfil encontrado em adultos, com um aumento significativo da prevalência de fatores associados à SM. Os dados acima salientam a necessidade de implementação de políticas de saúde visando o controle e prevenção da obesidade em todas as faixas etárias.

Um estudo publicado em 2010 por Pedrosa et AL, com crianças portuguesas entre 7 e 9 anos com excesso de peso(estimado entre 28 a 31,5% da população nessa faixa etária), mostrou uma prevalência de SM em 15,8%.  Analisando componentes bioquímicos, nesse mesmo estudo, os autores encontraram  níveis pressóricos elevados em 62,9% dessas crianças, baixos níveis de HDL em 13,4%...

A ideia de se utilizar uma dieta com baixa quantidade de carboidratos para evitar as flutuações glicêmicas inerentes às variações na taxa de absorção da insulina e os erros na contagem de carboidratos nas dietas é valida e pode ser uma estratégia no controle glicêmico

Neste estudo, tanto o número de pacientes pequeno, quanto o método utilizado para medir a HbA1C, que não segue o patrão internacional, dificultam a reprodutibilidade da pesquisa.

O uso de sistemas de infusão continua (SIC) de insulina possibilita o uso de doses mais precisas de insulina em relação a ingesta de carboidratos (0,1U), o que leva a menores oscilações glicêmicas em comparação ao grupo que não usa SIC.Os critérios de exclusão não são descritos no trabalho e, pacientes com gastroparesia deveriam ser excluídos pelo atraso na absorção alimentar, o que pode interferir nas flutuações glicêmicas. Esses pacientes não deveriam ser utilizados no estudo.

A menor...

Publicado em Diabetology & Metabolic Syndrome 2012, 4:21 faz uma avaliação da complicação microvascular mais comum em pacientes com diabetes mellitus: a neuropatia diabética (ND).
Prasad Katulanda1,2*, Priyanga Ranasinghe3, Ranil Jayawardena1,4, Godwin R Constantine1, M H Rezvi Sheriff1 and David R Matthews
Diabetology & Metabolic Syndrome 2012 May 29;4(21). doi:10.1186/1758-5996-4-21  

A polineuropatia distal sensitivo motora de membros inferiores representa a manifestação clínica mais comum da ND resultando em perda de sensibilidade protetora  e, como consequência, leva ao prejuízo da capacidade de reconhecimento de determinados estímulos como dor e temperatura ou mesmo a presença de ulcerações nos pés. Representa a principal causa de amputação de membros inferiores.

Atualmente, existem poucos dados sobre a prevalência da ND em países em desenvolvimento, especialmente no Sul da Ásia (população sabidamente conhecida pela predisposição para esta doença). Sri Lanka é um país em desenvolvimento do Sul da Ásia com população de 20,9 milhões de habitantes. Aproximadamente...

n Behalf of the Brazilian Type 1 Diabetes Study Group (BrazDiab1SG) *
O objetivo do presente estudo transversal e  multicêntrico, realizado entre dezembro de 2008 a dezembro de 2010, em 28 clínicas públicas de atenção secundária e terciária em 20 cidades brasileiras de quatro regiões geográficas (norte / nordeste, centro-oeste, sudeste e sul) foi determinar as características de cuidados clínicos oferecidos aos pacientes com diabetes tipo 1 (DM1) nas regiões geográficas do Brasil, incluindo o controle glicêmico, a prevalência de fatores de risco cardiovascular (CV), o rastreamento de complicações crônicas e a freqüência com que as metas de tratamento recomendadas pela Associação Americana de Diabetes foram atingidas. Foram obtidos dados de 3.591 pacientes (56,0% mulheres e 57,1% caucasianos) com idade de 21,2 ± 11,7 anos, com uma duração da doença de 9,6 ± 8,1 anos (<1 a 50 anos). No geral, 570 (18,4%) pacientes apresentaram níveis de HbA1c <7,0%, e 1472...

A nefropatia diabética é a maior causa de insuficiência renal crônica no Ocidente. É uma das complicações mais graves do diabetes melito. Seu curso é lento e silencioso e diversos fatores estão envolvidos na progressão da doença (polimorfismo genético, dislipidemia, etc), mas o controle glicêmico ruim e a presença de hipertensão arterial são os principais. 

As espécies reativas de oxigênio (ROS) tem papel importante na fisiopatologia da nefropatia diabética. O presente estudo quer avaliar o efeito do uso da hemina, substancia usada no tratamento das porfirias, levando ao aumentando da heme oxigenase-1 (HO-1), enzima intracelular que catalisa a etapa inicial e de limitação da taxa da degradação oxidativa do heme, levando ao efeito antioxidante e anti-inflamatório.

O estudo randomizado e controlado, expôs ratos ao quimioterapico estreptozotocina que estimula a produção de radicais livres, o que leva à disjunção das células β pancreáticas ocasionando hiperglicemia. Em outro grupo houve a associação da hemina...

o manuscrito “Metformin: an old but still the best treatment for type 2 Diabetes” publicado em Diabetology&Metabolic Syndrome 2013, 5:6 (15 fevereiro 2013) por Rojas, LBA e Gomes, MB é apresentada uma excelente revisão sobre a Metformina- um medicamento muito conhecido no tratamento do Diabetes e que vem demonstrando desempenhar função importante no tratamento de outras morbidades.

As aplicações clínicas da metformina foram descobertas, em 1950, por Stern et al. Possui um efeito dose dependente na redução dos níveis glicêmicos.

O mecanismo de ação principal está na redução da produção hepática de glicose e secundário aumento da captação periférica pelo músculo. Essas ações são mediadas pela ativação da quinase hepática B1 (LKB-1).

É previsto que haja cerca de 350 milhões de pessoas diabéticas no mundo em 2030. Neste contexto, precisamos de ferramentas para prevenção de novos casos de Diabetes tipo 2 (DM2). Quando as mudanças no estilo de vida (MEV) não são...

O artigo “The effect of vitamin D on insulin resistence in patients with type 2 diabetes” publicado em Diabetology & Metabolic Syndrome 2013,5:8 por Talaei et al, aborda um importante tema : a deficiência de vitamina D e sua relação com a resistência insulínica.

A deficiência de vitamina D  e o diabetes mellitus tipo 2 (DM2) possuem fatores de risco em comum como etnia afro-americana, obesidade, envelhecimento e diminuição da atividade física; além de associação com osteoporose, doença cardiovascular e síndrome metabólica. Alguns estudos demonstraram que a vitamina D possa ter um papel fundamental na tolerância à glicose através de seus efeitos  tanto na secreção  como na sensibilidade à insulina.Em comparação a controle sadios, os pacientes com DM2 possuem uma  menor quantidade circulante de 25-OH-vitamina D, demonstrado pelo estudo de Pietschmann et al.

O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos da suplementação de vitaminaD na resistência insulínica de pacientes com DM2....

O cilostazol, inibidor da fosfodiesterase, apresenta  efeitos beneficos na aterosclerose devido às suas propriedades vasodilatadora e anti-agregante. No entanto, pouco se sabe sobre o efeito na rigidez arterial e nos marcadores bioquímicos relacionados com a inflamação vascular e a disfunção endothelial em pacientes com Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2) com Síndrome Metabólica.

O objetivo deste estudo randomizado duplo cego, com 45 pacientes diabéticos com síndrome metabólica que receberam ou cilostazol (50 mg por 2 semanas, 100 mg por 6 semanas) ou placebo por 8 semanas e onde os grupos de tratamento foram cruzados por mais 8 semanas, foi avaliar a eficácia do cilostazol em evitar a progressão da rigidez arterial através da análise da  velocidade da onda de pulso braço-tornozelo e dos níveis séricos das citocinas inflamatórias  e  das moléculas de adesão vascular relacionadas com inflamação vascular e disfunção endotelial.

O principal achado foi que no grupo que usou  cilostazol...

Pagina 1 de 2

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes