Low carbohydrate diet in type 1 diabetes, long-term improvement and adherence: A clinical audit


Dra. Marília de Brito
Professora Associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

A ideia de se utilizar uma dieta com baixa quantidade de carboidratos para evitar as flutuações glicêmicas inerentes às variações na taxa de absorção da insulina e os erros na contagem de carboidratos nas dietas é valida e pode ser uma estratégia no controle glicêmico

Neste estudo, tanto o número de pacientes pequeno, quanto o método utilizado para medir a HbA1C, que não segue o patrão internacional, dificultam a reprodutibilidade da pesquisa.

O uso de sistemas de infusão continua (SIC) de insulina possibilita o uso de doses mais precisas de insulina em relação a ingesta de carboidratos (0,1U), o que leva a menores oscilações glicêmicas em comparação ao grupo que não usa SIC.Os critérios de exclusão não são descritos no trabalho e, pacientes com gastroparesia deveriam ser excluídos pelo atraso na absorção alimentar, o que pode interferir nas flutuações glicêmicas. Esses pacientes não deveriam ser utilizados no estudo.

A menor variabilidade glicêmica foi um dos pontos fortes do estudo. Dietas com menor ingesta de carboidratos levam a diminuição do erro no cálculo da dose de insulina necessária para corrigir essa ingesta.

Houve evidente diminuição da dose necessária de insulina rápida e relativa manutenção na de NPH, mas não há descrição de episódios de hipoglicemia antes e após a modificação alimentar como também das doses de insulina. A relativa manutenção da dose de insulina basal pode justificar a manutenção do peso. A diminuição da insulina basal, talvez propiciasse perda ponderal.

A dieta com no máximo 75g de carboidratos equivale a uma dieta com um valor bem abaixo do normal utilizados em dietas clássicas. Em outros estudos a ingesta de baixa quantidade de carboidratos mostrou-se de difícil manutenção por tempo prolongado, o que se confirmou na perda de 50% da aderência após dois anos e o interesse de apenas 16-18% dos pacientes em manter tal dieta no final do estudo.

Estudos em diversos paises tem mostrado um aumento no sobrepeso e obesidade entre diabetes tipo 1. Nesse trabalho não foi evidenciado aumento de  IMC, portanto essa dieta pobre em carboidratos tem o beneficio de evitar o ganho ponderal e pode ser uma aliada na terapêutica do diabetes.

Autores:
Professora Dra. Marilia de Brito Gomes
Dr. Rodrigo Martins Teixeira
Disciplina de Diabetes, Hospital Universitário Pedro Ernesto - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

VOLTAR

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes