Medicina Alternativa: Benefícios ou Malefícios


Dr. Ney Cavalcanti
Professor de Endocrinologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Pernambuco
Ex-Presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM)

A medicina alternativa pode ser definida por um conjunto de práticas e uso de substâncias que não são, hoje, considerados como válidos pela  medicina convencional.

Medicina ortomolecular, dietas e remédios populares, quiropraxia e massagens, uso de chás, benzedeiras, gurus, terreiros e etc.

Estes tipos de terapias médicas continuam sendo utilizadas por parte importante da população, e o que é mais preocupante, é cada vez maior o número de pessoas que delas são usuárias. Nos Estados Unidos, na década de 90, o aumento dos gastos pela comunidade com esse tipo de tratamento foi de 50%.  Acredita-se que, atualmente, perto de 30 bilhões de dólares, seja o faturamento dos setores que realizam tais práticas. Um outro dado que surpreende é que a chamada "medicina alternativa", é mais utilizada pelos que têm mais escolaridade e renda. Como explicar tal paradoxo? Muito difícil. Afinal a medicina alternativa não deveria sequer existir.

Qualquer recurso terapêutico em que se demonstrasse a sua eficácia, deveria ser incorporado à medicina convencional. Os críticos por esse tipo de medicina, dizem que ela é nada mais nada menos que o conjunto de tratamentos que ainda não demonstraram eficiência.

Uma outra preocupação destes grupos de pessoas é que um paciente portador de uma doença grave, porém potencialmente curável pela medicina convencional, deixe de sê lo pelo tempo perdido em práticas alternativas. Porém, o problema existe e não é possível ignorá-lo. Além do mais, muitos dos seus usuários são satisfeitos com os resultados obtidos.

Tais práticas não costumam sequer serem abordadas nos cursos de medicina. Inclusive a homeopatia e a acupuntura, que para alguns já pertence à medicina convencional, enquanto para outros, ainda  são consideradas alternativas, não são abordadas no currículo na maioria das faculdades brasileiras.

É bom que se frise que o problema da medicina alternativa é um problema universal, ocorrendo em todo os tipos de países, pobres, em desenvolvimento e ricos. Inclusive, em alguns deles a maioria dos doentes é, por práticas alternativas, tratada. Na África do Sul, por exemplo, existem apenas 25 mil médicos e mais de 200 mil curandeiros. Em outros países, a medicina alternativa é incorporada ao sistema de saúde governamental. Por exemplo, na China e em ambas Coréias. 

No Brasil, não é do meu conhecimento, a frequência desse tipo de pratica médica. Recentemente, um professor mineiro, João Felício R. Neto, com grupo de colaboradores, pesquisou a prática de medicinas alternativas na comunidade de Monte Claros, Minas Gerais. Analisando apenas os procedimentos que têm custos, consultas e/ou medicamentos, eles constataram que 8,3% da população é usuária de alguma das práticas alternativas. Destes, 15% utilizavam remédios caseiros, 15% benzedeiras, 2,5% homeopatia, 1,5% acupuntura e 0,2% medicina ortomolecular.

Assim como em outros países, o uso dessas práticas é mais freqüente entre os que ganham mais e têm maior escolaridade.

Como a medicina convencional e a sociedade deverão encarar a medicina alternativa?

Introduzir no currículo médico ensinamentos sobre tais práticas?

Realizar pesquisas científicas rigorosas, para avaliar a existência ou não de valor terapêutico?

Proibir o seu uso, alegando a não existência provas científicas da sua eficiência?

Apenas o fato de que, parte importante da comunidade utiliza e acredita na sua eficiência, não garante que isto possa ser verdadeiro.

Afinal, milhões de brasileiros acreditam, e até se sacrificam, por uma seita religiosa, que as autoridades brasileiras estão acusando os seus dirigentes de serem um covil de ladrões.

VOLTAR

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes