A Sociedade Americana de Endocrinologia acaba de liberar as Diretrizes para o diagnóstico e tratamento da Obesidade Infantil. O documento anterior era de 2009. A obesidade infantil permanece sendo um problema muito importante na saúde dos americanos, pois 17 % das crianças e dos adolescentes estão obesas.

A boa nova é que a obesidade infantil ficou estável nos últimos anos. A má notícia é que aumentou o número de crianças com quadros graves de obesidade. A chamada obesidade extrema.

No blog www.educacaoparamilhares.com.br temos abordado o papel dos dispositivos móveis na educação à distância inclusive no impacto que vem causando no professor. Na verdade, as mudanças estão sendo muito vagarosas e mesmo em instituições de ponta a adoção da nova pedagogia digital enfrenta resistências.  Permanece o ensino centrado em textos escritos pelos especialistas do assunto. O conectivismo ainda passa longe e parece que assim continuará por longo tempo.

Na área de saúde é possível que estes dispositivos tenham um futuro melhor e que a sua adoção deva ser mais veloz, sobretudo pelo tamanho do mercado. Para 2020 projeta-se que estejam em uso 20 bilhões de dispositivos móveis.  O mercado em 2015 será de 125 bilhões de dólares e a só as aplicações em mhealth deverá movimentar de 30 a 60 bilhões de dólares.

A mobilidade e o conectivismo estão originando novos conceitos no futuro dos cuidados médicos e certamente estarão revolucionando...

Nos últimos números temos discutido neste espaço alguns assuntos que vão além de diabetes. É o que fazemos mais uma vez ao apresentar a proposta do Presidente americano para o sistema de saúde do seu país.

Nela, identificamos vários propostas ,que são situações que temos também no Brasil, como a da atuação dos planos de sáude. A matéria nos foi enviada pelo Dr. Alberto Ramos que tem especial interesse pelo assunto. (Nota do Editor)

Por que precisamos da reforma da saúde, por Barack Obama.

The New York Times
Barack Obama

Nosso país está envolvido no momento em um grande debate sobre o futuro do atendimento de saúde na América. E ao longo das últimas semanas, grande parte da atenção da mídia se concentrou nas vozes mais barulhentas.

O que não ouvimos fomos as vozes dos milhões e milhões de americanos que enfrentam silenciosamente todo dia um sistema que frequentemente funciona...

NOTA DO EDITOR DO SITE - UMA IMPORTANTE RESENHA SOBRE UM ASSUNTO RECENTE.

Nas últimas semanas vem ocorrendo uma discussão acalorada de uma possível relação entre o uso da insulina glargina e câncer. As Sociedades Científicas do mundo inteiro tem se pronunciado sobre o assunto pedindo, sobretudo, cautela a todos os usuários destas insulinas.

Como não poderia ser diferente, no Brasil, a SBD e a SBEM divulgam,  nos seus sites, notas oficiais.o. Além disso, vários especialistas fizeram os seus pronunciamentos. Aqui publicamos uma coletânea destes comentários procurando orientar aos diabéticos sobre o assunto (Reginaldo Albuquerque - editor do site).

Leiam também as notas oficiais das entidades nos seguintes links:

Nota da SBD - Dra. Marilia Brito Gomes 
Nota da SBEM - Dr. Saulo Cavalcanti

O ALVO, AGORA, SÃO AS INSULINAS
(OU, UM NOVO TERREMOTO) -  Dr. Alfredo Halpern


Eis que novas pesquisas populacionais (na verdade, 4 estudos retrospectivos) levam à suspeita de que o uso das insulinas (em...

Nesta edição do “Diabetes Hoje” apresentamos o dia a dia científico do Congresso Americano de Diabetes – ano 2009 -  e que está sendo realizado na cidade de New Orleans nos Estados Unidos.  O material está sendo obtido a partir das agências internacionais e pelos brasileiros presentes no evento

 Dia 5 – Sexta-feira
Título da sessão – Resultados do Estudo RECORD

 Foram apresentados os resultados do Rosiglitazone Evaluated for Cardiac Outcomes and Regulation of Glycemia in Diabetes (RECORD). Este estudo clínico encontrou que a thiazolidinediona, rosiglitazona, quando adicionada a outras drogas usadadas  em  monoterapia não aumentam o risco cardiovascular, tanto com relação à morbidade com a mortalidade. Há, no entanto, um aumento de risco de infarto do miocárdio,insuficiência cardíaca e fraturas, como já tinha sido relatado em outros estudos. 

A apresentação dos dados foi feita por  Philip  Home que examinou os desfechos de 4447 pacientes com diabetes do tipo 2, que usaram a...

No último número da coluna, o Dr.adipocytes Amélio Godoy-Matos relatou um dos seus estudos relacionados com as lipodistrofias e mostrou algumas alterações relacionadas com a proteína transportadora da vitamina A (RBP4), que seria mais uma das proteínas produzidas pelos adipócitos.

Para muitos, a endocrinologia nasceu com a descoberta de um hormônio gastrointestinal: a gastrina, que atuaria na produção do ácido clorídrico pelo estômago. 

Por muitas décadas, os endocrinologistas desviaram a sua atenção do trato digestivo e só nos últimos 40 anos voltaram os seus estudos para o tubo gastrointestinal, tido hoje como um importante órgão endócrino. 

De 1975 a 1979 houve uma explosão de descobertas de novos hormônios no sistema digestivo. Trabalhando no Hammersmith Hospital, no laboratório do Prof. Steve Bloom, tive a oportunidade de participar destes trabalhos que resultaram na descrição da neurotensina, do VIP, da bombesina, da colecistoquinina e do enteroglucagon, entre outros. Chegamos a publicar um trabalho relacionando os seus...

Em 2007 escrevíamos no prefácio do livro eletrônico “Diabetes na Prática Clínica” que havia uma grande esperança em quatro novas drogas para o tratamento do diabetes: a família das glitazonas, o rimonabanto, o grupo das incretinas e a insulina inalada.

O ano de 2008 mostrou que, exceto as incretinas, as demais traziam mais problemas do que benefícios. Algumas foram retiradas do mercado – caso do rimonabanto – outras passaram a usar, por exigência do FDA, tarjas pretas nas suas bulas com advertências que iam desde a possibilidade de fraturas até importantes problemas mentais. 

Um dos casos mais emblemáticos foi o da insulina inalada. Lançada com grande pompa e festas no mundo inteiro, foi retirada do mercado meses após o lançamento. O que deu errado, o quê aprendemos e qual futuro que agora se apresenta é o que pretendemos analisar neste artigo.

A resistência ao uso de insulina é o fato conhecido,  tanto dos  médicos como dos pacientes,...

Deu na Globo e você precisa saber, pois seu paciente já deve estar  perguntando, em razão de ter ouvido e visto a notícia, ou porque algum amigo, parente ou conhecido ligou para ele e contou que viu ou ouviu dizer a respeito. E você, de novo, não sabe de nada! Nós, médicos, trabalhamos o dia todo e raramente temos tempo de assistir TV, daí enfrentarmos esse problema!

A notícia diz respeito a um microchip que ajudará no controle do diabetes. A reportagem cita e mostra um microchip, que está sendo desenvolvido por cientistas da Universidade Federal de Itajubá, em Minas Gerais, que promete simplificar o tratamento da diabetes. Este microchip, segundo eles, será implantado na pele e monitorará a quantidade de insulina no corpo, auxiliando o paciente, assim, a controlar a doença.

A equipe de desenvolvimento, coordenada pelo professor Tales Pimenta, desenvolve os minúsculos sistemas, que vão armazenar informações importantes...

O ensaio da hemoglobina glicada (A1C) tem sido considerado o padrão-ouro na avaliação do controle glicêmico de pacientes com diabetes.

Constitui um preditor das complicações crônicas da moléstia, sendo que intervenções que acarretam redução ou normalização da A1C resultam em diminuição do risco de desenvolvimento de tais complicações, conforme demonstrado pelos estudosDiabetes Control and Complications Trial (DCCT) e United Kingdom Prospective Diabetes Study (UKPDS).

O seu uso prático tem sido extremamente difundido, tornando-se quase indispensável na prática clínica. É um marcador do bom ou mau controle do diabetes e, de maneira geral, reflete os níveis glicêmicos dos últimos três meses.

Esta edição do Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial (JBPML) apresenta um artigo de revisão sobre a importância da determinação da A1C no monitoramento das complicações crônicas do diabetes. Em apresentação bastante didática, o artigo de Andriolo e Sumita tece considerações sobre a importância da A1C no controle do diabetes, da padronização dos diferentes...

Esta linha de pesquisa vem ganhando muita importância e vários estudos clínicos estão sendo feitos em todo o mundo. Aqui no Brasil, um dos principais centros que as estudam é o coordenado pelo Dr. Edgard Niclewiz, que há mais de 15 anos já tinha demonstrado que a ciclosporina podia reverter o quadro de agressão sobre as células betas de pacientes recém-diagnosticados com diabetes do tipo 1.

Este diálogo Mauro Scharf x Eduardo Couri, que reproduzimos com exclusividade para a coluna "Diabetes Hoje", mostra a atual situação destas linhas de investigação. Convidamos a todos a participarem e contribuírem para o debate sobre o assunto. 

O que diz Mauro Scharf - Endocrinologista Pediátrico, em Curitiba, e participante do próximo Simpósio da SBD, em Curitiba. Consultor do Laboratório DASA

Existem alguns estudos que estou acompanhando à distância e que tenho profundo interesse. Caso você veja algo, please update me... 

São eles:

MMF/DZB - Type 1 diabetes TrialNet. 
Rituximab - TrialNet ....

Pela primeira vez, foi realizado por um grupo de especialistas um consenso sobre pré-diabetes. Esta expressão tinha sido praticamente abandonada, mas nos últimos anos foi recuperada e, até recentemente, os especialistas não tinham um entendimento de como abordá-la.

Durante dois dias, no mês de julho de 2008, a Associação Americana dos Endocrinolgogistas Clínicos reuniu um grupo de especialistas para definir, com clareza, o quê deve ser feito. O documento liberado na manhã do dia 23 somente será publicado nas revistas científicas no fim deste ano. A seguir segue um resumo dos principais pontos levantados:

Definição

 

Trata-se de uma condição caracterizada por uma elevação nos níveis de glicose de jejum ou uma alteração, durante um teste de tolerância à glicose. Segundo o Centro de Controle de Doença dos Estados Unidos, 56 milhões de americanos estão nesta situação e podem desenvolver diabetes e/ou doenças cardiovasculares. Isto deve levar a um esforço para fazer...

Este ano, a comunidade científica precisou lidar com importantes e difíceis resultados de grandes estudos. Logo após à divulgação das pesquisas, diversos debates ocorreram das mais variadas formas. Reuniões científicas locais; discussões online, inclusive aqui no site da SBD; e, recentemente no 68th Scientific Session - Congresso da American Diabetes Association.

Para esclarecer alguns pontos, três especialistas fazem suas observações no Diabetes Hoje. A presidente da SBD, Dra. Marília de Brito Gomes, fala sobre o Advance; Dr. Domingos Malerbi, membro da diretoria, analisa o Accord; e o Dr. Antonio Carlos Lerário, ex-presidente da SBD, opina sobre o VADT.

  • Estudo ADVANCE

Dra. Marília de Brito Gomes, presidente da SBD

O ADVANCE (Action in Diabetes and Vascular Disease) foi um estudo: randomizado; controlado multicêntrico e multi-étnico; em uma população de 11.140 pacientes com DM2; história prévia de doença macro ou microvascular ou a presença de pelo menos um fator de risco para doença...

A revista científica inglesa Nature, no seu número de 4 de maio, publica um interessante estudo de um um grupo de pesquisadores do Institutuo Karolinska da Dinamarca.

A pesquisa foi liderada por Kirsty Spalding que demonstrou que o número de células de gordurapermanece fixo a partir de 20 anos. Depois desta idade, nada é capaz de diminuir essa quantidade, seja por tratamentos clínicos ou cirúrgicos.

A cada ano, independente de a pessoa estar gorda ou magra, 10% das células de gordura morrem. Porém, elas são substituidas por células mais jovens e mais ávidas em gorduras. O artigo tem o nome de "Dynamics of fat cell turnover in humans". A técnica utilizada incluiu a análise da integração de carbono radioativo no DNA da população estável dos adipócitos.

Esta é uma má notícia para todas as pessoas que precisam perder peso, pois os tratamentos assim não modificam o número de adipócitos e sim apenas...

Se depender do estudo, realizado pela empresa suíça de biotecnologia Cytos e publicado na revista Lancet, o consumo diário de medicamentos para a hipertensão pode estar com os "dias contados".

sso porque os pesquisadores desenvolveram uma vacina, capaz de inibir o hormônio angiotensina, que provoca a contrição das veias, aumentando a pressão sangüínea.

A vacina foi testada, em três doses diferentes, em intervalos de poucas semanas, em 48 pacientes. O resultado, comparado ao de outras 24 pessoas que tomaram placebo, foi a redução significativa da pressão sangüínea, com poucos efeitos colaterais, como sintomas leves de gripe. 

Além disso, 72 pacientes com insuficiência renal e hipertensão foram escolhidos, aleatoriamente, a partir de uma lista gerada por um computador, para receberem injeções subcutâneas.

O saldo final apresentou, principalmente, fatores como segurança e tolerabilidade.

Alternativa

Segundo os cientistas, a vacina, que só precisa ser tomada de quatro em quatro meses, poderá oferecer uma alternativa simples aos hipertensos, que necessitam de medicamentos diários para controlar...

O NEJM publicou, em meados de janeiro, o resultado de uma enquete sobre uma conduta terapêutica em diabetes do tipo 2. Foram mais de 400 respostas, vindas de todos os continentes. Cerca de 50 brasileiros responderam ao questionamento.

Os participantes de 123 países que votaram eram médicos especializados em diabetes (18%), médicos com outras especialidades (49%), médicos ou estudantes médicos em formação (17%), outros profissionais da saúde (12%), ou outras classificações (4%).

Os resultados detalhados foram exibidos de acordo com a especialidade no país no www.nejm.org. A percentagem de participantes, que selecionou um determinado tratamento, variou substancialmente quando as respostas foram estratificados em função dos participantes locais

Soltamos esta mesma enquete para os sócios da SBD e obtivemos 230 repostas. O resultado que tivemos mostra uma conduta divergente com relação ao resto do mundo, onde 50% disseram que a conduta era passar para insulina NPH à noite.

A partir deste resultado, consultamos alguns...

Um cliente - aqui nomeado como Eduardo - me enviou o seguinte e-mail:

Dr. Rodrigo

"Imagino que o artigo cujo endereço vai em anexo esteja causando muitas dúvidas em diabéticos. Sei também que essas pesquisas isoladas são insuficientes para conclusões seguras. Por isso, para colocar em contexto, é necessário o auxílio de quem é da área."

Leiam o meu aconselhamento e façam um "ACCORD(O) com o seus clientes:

Prezado Eduardo

Este estudo vem confundindo a cabeça de muita gente, inclusive (ou, eu diria, especialmente) de médicos e especialistas. A ciência é feita de dados refutáveis e há diversos fatores que podem produzir resultados espúrios e inesperados. Freqüentemente, a interpretação é o mais importante.

O problema: O Estudo ACCORD, que avalia diversas intervenções e risco CV futuro, teve um dos braços interrompido porque o risco de mortalidade observado foi maior no grupo com controle glicêmico intensivo, em relação ao grupo controle. Entretanto, algumas coisas...

A Atividade Física Pode Retardar o Envelhecimento Biológico
A fisiologia ensina que os organismos "vivem num estado biológico estacionário", ou seja, apesar de todos os processos bioquímicos que ocorrem constantemente, os seres, para continuarem vivos, têm que manter uma determinada ordem interna. A desarrumação, assim, não é compatível com a vida. Para um observador é como se nada mudasse além dos cabelos brancos, a perda de algumas funções, o aumento de algumas cartilagens como o nariz e as orelhas, a perda memória, mas na verdade nesta reconstituição algumas perdas sempre ocorrem.

A isto se chama de entropia e a morte seria o momento no qual o ser vivo perde totalmente a possibilidade de se reorganizar. A chave da longevidade estaria na preservação do DNA e a perda de alguns dos seus pedaços soltos, ao longo da vida, poderia ser a explicação para o envelhecimento precoce de algumas pessoas. A ciência entende...

André Reis
Escola Paulista de Medicina

O trabalho coordenado pelo Dr Gilberto Velho, da Unidade de Pesquisas U695 do INSERM, no Hospital Bichat em Paris e com a participação de pesquisadores brasileiros - da USP (Daniella Ferrarezi), de Porto Alegre (Guilherme Brenner) e da EPM (André Reis) - franceses foi motivado pelo conhecimento de que a doença cardiovascular (DCV) representa mais de 80% dos casos de morte em pacientes diabéticos tipo 2. O estudo foi publicado no jornal Diabetes da American Diabetes Association, na sua edição de Janeiro 2008.

estrutura_DNAFatores ambientais e genéticos (ainda pouco conhecidos) estão implicados neste fenômeno. Dentre os fatores relacionados a este risco aumentado, sabe-se da implicação dos mecanismos do stress oxidativo no leito vascular e na formação das placas de ateroma. A UCP2 funciona como limitador da formação de ROS (espécies reativas de oxigênio), estando relacionada a um efeito anti-aterogênico no leito vascular e, também, a um aumento da tolerância...

No começo de cada ano, as revistas - científicas e leigas - realizam uma resenha do que consideram como os avanços científicos mais significativos no ano que passou.

Escolhemos, nesta primeira coluna, para o conhecimento dos nossos leitores, as notícias publicadas em alguns destes veículos. Duas delas, o Science e o Nature, consideradas como os mais importantes nas ciências biomédicas. As outras duas publicações são leigas: o Time Magazine e o New York.

A nossa seleção é uma resenha das descobertas que estão ou poderão ter importância na forma como cuidaremos dos nossospacientes no futuro. Constituem aquilo que as publicações chamam de "breakthrough", que poderíamos traduzir como "um passo a frente" ou uma "quebra de barreiras" e passam a se constituir em novos paradigmas.

Vamos à nossa seleção, um pouco de cada publicação:

1Fim da discussão ética sobre células-tronco

No dia de "Ação de Graças" americano, Dr. Shinya Yamanaka, da Universidade de Kyoto, fez...

Na página principal do site acompanhamos as principais notícias deste evento.

Rodrigo Lamounier, Sergio Vêncio, Mauro Scharf, Marilia de Brito Gomes, Augusto Pimazoni nos mandaram importantes noticias do quê estava acontecendo no evento segundo a percepção e os interesses científicos de cada um.  Hoje, dia 5, passado todo o evento, o boletim do Medpage Today destaca os pontos que os seus observadores consideraram relavantes no Congresso e há uma feliz coincidência com o material enviado pelos colegas. 

Segundo o Medpage, se destacaram 12 assuntos. Clicando nos links abaixo você pode ouvir ou ler a matéria.  

1. EASD: Phase III Data Look Good for Novel Diabetes Drug
VIENNA -- An investigational drug targeting an insulin-independent pathway in type 2 diabetes produced early and substantial reductions in blood glucose and body weight in a phase III study 

2. EASD: Causes of Diabetes Explored
VIENNA -- Two basic-science researchers reviewed recent discoveries on the underlying causes...

 

Caro Reginaldo,

Obrigado pela homenagem e o destaque que me foi dado em seu Boletim de 25/09. "Criado pelo pioneiro e visão de Laerte Damaceno - hoje dedicado ao cuidado das flores de sua chácara em Vitória".

Ainda não é o caso, pelo caso, que tenho com o diabetes, mas estaria em boa companhia e neste sentido dou dois exemplos:

Frederick Winslow Taylor (1856-1915), que é considerado o pai da administração científica, aposentou-se aos 47 anos para cuidar de suas flores.

Charles Darwin passou grande parte de sua vida em suas estufas de plantas na Down House, sua casa nos arredores de Londres observando o comportamento das mesmas.

Estava às vésperas de viagem para o EASD o que me fez aguardar o meu retorno para relatar-lhe um pouco do que vi no EASD por uma visão muito pessoal.

E. A. M. Gale, inegavelmente, é a grande liderança da diabetologia mundial...

Na abertura do Congresso Mundial de Diabetes, o Sr. Martin Silink, presidente da IDF, comunicou que a epidemia do diabetes está  evoluindo mais depressa do que foi pensado anteriormente.  Esperávamos 7 milhões de casos este ano e teremos 10 milhões.

No evento, realizado em Montreal, entre os dias 18 e 22 do corrente mês foi declarado que temos este ano 285 milhões de pessoas no mundo com diabetes. Em 2030, caso esta progressão continue, serão  435 miilhões de pessoas.  A maioria está localizada em paííses em desenvolvimento. A Indiia com 50 milhões é o maior deles, seguido pela China com 43,2 milhões . Os Estados Unidos tem 26,2 milhões.

A SBD, calcula que no Brasil,  existam  entre 10 a 12 milhões de pessoas com diabetes.  Uma grave denúncia foi feita pelo Presidente do IDF. Ele diisse que nos países pobres muitas crianças morrem pela falta de insulina. Estas crianças seriam em...

IDF (Federação Internacional de Diabetes), o NHLBI (Instituto do Coração, Pulmão e Sangue dos Estados Unidos), a AHA (Associação Americana do Coração), a WHF (Federação Mundial do Coração), a IAS (Sociedade Internacional de Arteriosclerose) e a IASO (Associação dos Estudos de Obesidade) acabaram de liberar uma declaração de consenso sobre o assunto.

Esta declaração representa um passo gigantesco para uma  definição unificada desta síndrome. O consenso, recém -liberado, declara  que o indivíduo necessita ter, pelo menos, três dos cinco critérios clínicos definidos como componentes da síndrome metabólica.  Não é obrigatória a presença de qualquer um destes critérios.

Os pontos de corte de cada um dos critérios foram bem definidos, exceto para os valores da circunferência abdominal, que deve ser avaliado por cada país respeitando a sua etnia, nacionalidade e regionalização.O documento final foi publicado na edição do Circulation 2009;120;1640-1645 e divulgado inicialmente online em 5 de Outubro deste ano.

(veja o link abaixo)

O papel da resistência à insulina como um...

Nesta coluna, publicamos há 2 semanas uma notícia sobre a aceleração de casos de diabetes no mundo. Na ocasião relatamos a preocupação demonstrada pela Internacional Diabetes Federation, durante o seu Congresso Mundial  Anual de Diabetes em Viena. Hoje, o Ministério da Saúde do Brasil, divulgou pelo seu Departamento de Ciência e Tecnologia(DECIT), novos dados sobre as causas de mortalidade no país.

As principais informações são:

O perfil da mortalidade no Brasil está mudando. Cada vez mais pessoas estão morrendo de diabetes, fato que é atribuído pelo Ministério da Saúde ao aumento de pessoas com excesso de peso.

Em 1996, as mortes pela doença eram de 16,3 habitantes em cada 100 mil, taxa que passou para 24 a cada 100 mil em 2006. Os dados se referem à população entre 20 e 74 anos.
O aumento ocorre principalmente entre os homens com mais de 40 anos --2,3% ao ano, em média, considerado todo...

 No ano de 2009 assistimos e participamos de um intensa discussão sobre as relações de diabetes e câncer. No passado, nesta mesma coluna, mostramos os caminhos que estavam nos levando à farmacogênomica  e ao uso de medicamentos personalizados.

Na figura ao lado. poderá ser visto um transcriptoma, de um  diabético que está sendo estudado em Ribeirão Preto.

Esta semana, a revista Nature, lançou um documento denominado de "Inovações no Diagnóstico Oncológico" onde, em 162 páginas, são descritos todos os avanços tecnológicos, as oportunidades de crescimento e o futuro do mercado.Tratá-se, portanto de um relatório fundamental, para os que trabalham com estas técnicas.

Estima-se que nos Estados Unidos, em 2008, surgiram 12 milhões de novos casos com seis milhões de mortes. A Organização Internacional de Saúde espera  em 2030 o dobro do número de casos. 

O relatório da Nature - que custa mais de tres mil dólares - analisa as últimas inovações no diagnóstico oncológico e...

Implicações Clínicas da Leptina na Anorexia Nervosa 

Modelos,Magreza e Anorexia - DiabetesA publicação online do Nature/Molecular Biology apresenta em das suas newsletters, um artigo com o título acima. Os autores são J. Hebebrand, T D Muller, K Holttkamp e B Herpetz-Dahalmann que trabalham no Departamento de Psiquiatria da Criança e do Adolescente de universidades alemãs (Essen e Aachen).

A leptina foi descoberta em 1994 e o nome deriva da palavra grega – leptos – que significa magro. Os estudos iniciais foram realizados em camundongos obesos do tipo ob/ob, que perdiam o tecido gorduroso com a administração da substância. Daí o nome. Numerosos estudos, desde então vem sendo feitos sobre o seu papel na obesidade.

Como outros hormônios, a leptina é secretada de uma forma pulsátil, com um ritmo nictemeral; 50 % da sua secreção é noturna e está relacionada com as ondas lentas cerebrais e a hora da alimentação. A concentração de leptina, ainda, se...

 Em 2005 foi aprovada no Brasil, depois de uma intensa mobilização, a lei de biosegurança que liberava as pesquisas de células-tronco embrionárias.

Neste artigo pretendemos rever os principais marcos no desenvolvimento destas pesquisas e a situação atual do seu uso em diabetes. A história pode ter começado em 1981 quando o britânico Martin Evans estabelece a primeira linhagem de células-tronco de embriões em camundongos.

Em 1988, o geneticista americano James Thomson, da Universidade de Wisconsin, isola as primeiras células embrionárias humanas.

No Brasil, em 2000, o grupo de Lygia da Veiga Pereira crias as primeiras células de embriões de camundongos do país e em 2004, o laboratório de biociências, da Universidade de São Paulo importa da Universidade de Harvard, as primeiras células-tronco de embriões humanos.

Como podemos ver, estas pesquisas deram a impressão que a obtenção de células-tronco só seriam possíveis a partir de embriões.O debate ético, político, religioso foi iniciado em vários países. No principal país...

Boas notícias esta semana.

1. Para STF, SUS não deve negar tratamento.

Medicamentos caros, exames complexos e até internação em UTI entraram na lista de direitos de  brasileiros, independentemente de terem condições de financiar o tratamento.  O Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu por unanimidade que todos têm amplos direitos ä saúde e podem exigir isso do SUS. Segundo a decisão, quando o acesso a remédios e tratamentos é negado, é legítimo  que pacientes acionem a Justiça, para que o poder público arque com os custos.

Antes de ontem, os ministros confirmaram a validade de nove decisões do presidente da Corte, Gilmar Mendes, que recusaram pedidos de governos municipais, Estados e da União, para que fossem desobrigados  de pagar remédios, tratamentos e serviços de diagnóstico. Normalmente as ações são contra os municípios, mas como o SUS é integrado, o Judiciário entende que a responsabilidade deve ser das três esferas de governo.

...

Nos últimos anos a comunidade médica tem sido surpreendida pela determinação de novos valores clínicos ou laboratoriais para alguns dos parâmetros biológicos. As mudanças quase sempre são anunciadas pelas organizações de saúde internacionais ou sociedades científicas, por ocasião dos seus grandes congressos nacionais ou mundiais. Na maioria das vezes, estas mudanças são sempre para valores mais baixos, mais estritos que exigem mudanças de comportamento de vida e/ou as inclusões de novos medicamentos.

Não é incomum no âmbito dos consultórios ouvirmos expressões como “assim não dá, eu estava quase conseguindo, não vou alcançar nunca, etc”. . é preciso deixar bem claro que estas mudanças dizem respeito às medidas preventivas e são o reflexo de estudos epidemiológicos em grandes grupos populacionais, que foram observados durante muitos anos. 
O alerta principal decorre do avanço da síndrome metabólica – que atinge 25 a 35 % das populações - e é caracterizada por alterações nos níveis de colesterol,...

O importante jornal médico New England Journal of Medicine (NEJM) publicou na sua edição de 3 de agosto dois interessantes trabalhos sobre mutações genéticas que ocorrem em um certo número de diabéticos neo-natais, ou seja antes dos 6 meses de idade. Na noticia abaixo comentamos estes trabalhos e o editorial sobre os assuntos publicados no NEJM.

Os gens envolvidos são o Kir6.2 e o SUR1 e o aspecto mais importante é que nestes pacientes, o tratamento com insulina pode ser substituído por sulfonilurea e obtendo-se um bom controle metabólico. 

O diabetes neonatal é usualmente descoberto depois do aparecimento dos sinais clássicos de diabetes tais como: glicosúria, desidratação, dificuldade mastigatória e cetoacidose nos primeiros 6 meses de vida. Uma vez iniciado o tratamento a insulina pode ser retirada poucos meses depois, mas muitas vezes a doença retorna no inicio da idade adulta.

Os autores explicam que os canais sensitivos de potássio-ATP (K-ATP) se expressam...

Pagina 1 de 2

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes