A paixão pelo futebol pode ser ferramenta importante para controle da obesidade em homens.

Todos sabemos que a obesidade é um problema muito importante de saúde pública em todo o mundo. A prevalência de obesidade nos últimos 30 anos dobrou em todo o mundo, causando grande impacto na incidência de doenças degenerativas, como o diabetes e as doenças cardiovasculares.

Apesar da prevalência de obesidade estar crescendo muito, os homens, de maneira geral, tem mais dificuldade em se considerar obesos e em ser voluntários em estudos clínicos para tratamento da obesidade. Dados da literatura médica mostram que em estudos clínicos de obesidade os homens consistem em aproximadamente ¼ dos participantes, à semelhança do que é observado em programas clínicos públicos de emagrecimento no Reino Unido. Dados de programas comerciais de emagrecimento dão conta que os homens constituem apenas 15% da população que participa desses programas.

Assim, é muito importante uma estratégia...

Apesar de já serem notórios os benefícios que os exercícios físicos proporcionam a quem tem o chamado Diabetes Mellitus, infelizmente a prática esportiva ainda não é tão popular entre as pessoas que têm a doença. Estudos mostram que esse tipo de prática é capaz de reduzir o risco de desenvolvimento do diabetes tipo 2 e até 60%. Além disso, o bom condicionamento físico reduz o risco de morte por doença cardiovascular, melhora a ação da insulina no organismo, ajuda no controle do peso e do colesterol, diminui os sintomas depressivos e aumenta a qualidade de vida. Todos esses benefícios são proporcionais à intensidade do exercício ou à capacidade aeróbica do indivíduo. Já o sedentarismo, por sua vez, é um dos principais fatores de risco para doença cardiovascular, assim como para o desenvolvimento da obesidade e do diabetes. Juntamente com os exames periódicos, a prática de exercícios regulares, como uma caminhada...

Um novo grande estudo clínico, mais lenha na fogueira e menos evidências de benefício.

A DCV é a principal causa de mortalidade e morbidade em indivíduos com diabetes tipo 1 e tipo 2. A esses indivíduos é atribuído um risco de mortalidade em 40 anos de 50%, contra 10% para a população em geral. A mortalidade nesses casos deve-se principalmente a doença isquêmica do coração, acidente vascular cerebral.

O uso de agentes antiplaquetários é estabelecido como benéfico na redução secundária de eventos CV em indivíduos com doença cardiovascular com e sem diabetes. A força da evidência de benefício na prevenção secundária, levou entretanto à sugestão de que o uso de Ácido Acetil Salicílico (AAS) seja também benéfico para prevenção primária em pacientes.

Estas recomendações estão incluídas em Consensos de Tratamentos das principais entidades relacionadas ao assunto, como a ADA (American Diabetes Association), a AHA (American Heart Association), entre outras, que recomendam a administração...

Alvoroço na imprensa, nas pessoas, nos fãs de TV, internet e de um sofazinho. Foi noticiado nesta última semana, resultados de uma pesquisa que descreve a ginástica dos sonhos dos “Couch potatos”, como se diz na América. É a pílula do exercício!

“Couch Potatos” é a expressão, muito usada nos Estados Unidos, para descrever os gordinhos sedentários, sendo composta pela junção das palavras, em inglês, “sofá” e “batata” (frita, pode-se supor). Pesquisadores do Salk Institute, na Califórnia, já haviam demonstrado, anteriormente, o papel da ativação do gene PPAR Delta,relacionado à oxidação de gordura no tecido muscular, que, quando hiperativado em camundongos geneticamente modificados, melhora a performance ao exercício de resistência.

Diante disso, os cientistas decidiram avaliar se a administração de uma medicação que ativa este gene (agonista), oGW1516, produziria efeito semelhante. Após administrar a substância a camundongos obesos e destreinados, não foi observado qualquer diferença na capacidade desses animais em resistir e suportar...

Nesta semana, muitas pessoas preocupadas com a sua saúde e bem-estar e o controle do seu peso, ficaram surpresas com a publicação por uma revista norte-americana de neurociências de um trabalho com ratos de laboratório que mostrou que o consumo de sacarina esteve associado a ganho de peso.

Vamos entender. Como foi feito o estudo?

A pesquisa baseou-se num dos princípios básicos da fisiologia moderna, o grande legado deixado pelo cientista russo Ivan Pavlov, ganhador do prêmio Nobel de Medicina. Trata-se do conceito conhecido como “reflexo condicionado”. Esta teoria propõe que todos os animais (incluindo nós mesmos, animais humanos), se condicionam de modo que um determinado estímulo fisiológico segue-se de uma experiência sensorial e fisiológica específica, decorrentes daquele estímulo. Em outras palavras, o organismo ao ser estimulado “espera” aquela conseqüência com a qual está acostumado. E se regula em função disso.

Então, vejamos, desde a primeira mamada, o animal (e seu...

Novas hipóteses para as origens, a mesma meta para o tratamento.

A Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) é um conceito em evolução. Diferentes classificações apontam para o mesmo, hiperandrogenismo (excesso de hormônios masculinos) e irregularidade menstrual ou ciclos oligo ou anovulatórios. Classicamente, trata-se de hiperandrogenismo acompanhado de níveis elevados de insulina (hiperinsulinemia).
 
Experimentos feitos no início da década de 80, com  Macacus Rhesus, mostraram que fêmeas expostas no período pré-natal a excesso de andrógenos apresentaram genitália ambígua e desenvolveram um comportamento virilizado. O seguimento longitudinal mostrou que naquelas que ganharam peso na vida adulta surgiu um fenótipo semelhante ao da síndrome de ovários policísticos, com hiperandrogenismo hiperinsulinêmico, dislipidemia, adiposidade visceral e baixa fertilidade. Assim, acreditava-se que em humanos o mesmo poderia acontecer e alterações hormonais na gravidez seriam preditores de risco futuro de SOP.
 
Para responder a esta pergunta, um trabalho feito na Austrália e publicado há algumas...

Apesar de já serem notórios os benefícios que os exercícios físicos proporcionam a quem tem o chamado diabetes mellitus, infelizmente, a prática esportiva ainda não é tão popular entre as pessoas que têm a doença. Estudos mostram que esse tipo de prática é capaz de reduzir o risco de desenvolvimento do diabetes tipo 2 de 35% a 40%. Além disso, o bom condicionamento físico reduz o risco de morte por doença cardiovascular em até 66%, sendo este benefício proporcional à intensidade do exercício ou à capacidade aeróbica do indivíduo. O sedentarismo é um dos principais fatores de risco para doença cardiovascular, assim como para o desenvolvimento da obesidade e do diabetes. Além de exames periódicos, a prática de exercícios regulares, pelo menos uma caminhada diária de 30 minutos, é uma das principais recomendações da Federação Internacional de Diabetes.

Existem dois tipos principais de diabetes, o diabetes tipo 1, também chamado...

É senso comum que comer os alimentos certos, sem excessos é bom para a saúde. Por outro lado, a restrição alimentar, sem desnutrição, está relacionada a aumento da vida em diversos organismos, desde leveduras, insetos, roedores, primatas e, possivelmente, humanos.

Mas a restrição dietética tem seu preço: freqüentemente prejudica a fecundidade, possivelmente porque a manutenção do soma (porção não germinativa do organismo) e da vida longa é incompatível com as demandas metabólicas da reprodução em algumas situações. Cientistas acreditaram por muito tempo que a resposta adaptativa do organismo à baixa oferta de nutrientes ocorre através de um aparato evolucionário que permite indivíduos sobreviver à fome através de um deslocamento de recursos energéticos da atividade reprodutiva para serem alocados em funções essenciais à sobrevivência. De fato, os dados empíricos reforçam que o aumento da longevidade via de regra ocorre à custa de diminuição da fecundidade.

Foi publicado recentemente na Revista Nature...

Os primeiros estudos descritivos sobre os efeitos dos canabinóides datam de mais 4.000 anos atrás, na índia, com a descrição das ações terapêuticas e psicotrópicas da planta Cannabis sativa. Nos últimos 40 anos, desde a purificação dos elementos ativos do sistema e a clonagem dos receptores canabinóides CB1 e CB2, muitos trabalhos têm sido publicados, descrevendo o papel central do sistema endocanabinóide, como um modulador central nos processos metabólicos e de secreção hormonal.

Recentemente, o EMEA - a agência regulatória de medicamentos da Europa - recomendou positivamente a aprovação da comercialização do Rimonabant, um bloqueador do receptor endocanabinóde CB1, para tratamento de obesidade.

Os receptores e os agonistas endógenos (endocanabinóides) constituem um sistema distinto de sinalização, envolvido com diversas funções fisiológicas, desde balanço homeostático, modulação de nocicepção, resposta imune, inflamatória e ainda aspectos relacionados ao sistema cardiovascular. Notadamente, tem se discutido o papel do sistema endocanabinóide na regulação dos sistemas endócrinos e do balanço...

A nefropatia diabética é um dos grandes problemas de saúde pública em todo o mundo, sendo responsável por mais de 44% dos pacientes em diálise nos Estados Unidos. Os custos anuais relacionados à nefropatia diabética nos EEUU são avaliados em US$ 10 bilhões, por ano. Apesar dos esforços em educação e na melhoria do tratamento, estima-se que 40% das pessoas com diabetes vão apresentar nefropatia clinicamente manifesta.

Muitos estudos observacionais têm mostrado a associação entre níveis elevados de homocisteína plasmática e risco de desenvolvimento de nefropatia, retinopatia e doenças vasculares, incluindo infarto agudo do miocárdio (IAM) e acidente vascular cerebral (AVC)

Estudos têm mostrado que o uso de suplementos com vitamina B diminui os níveis circulantes de homocisteína e melhora a função endotelial.

Com o intuito de avaliar se a reposição de vitamina B (em drágeas únicas, de uso diário, contendo 2,5 mg de ácido fólico, 25 mg de vitamina...

Pagina 1 de 2

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes