A paixão pelo futebol pode ser ferramenta importante para controle da obesidade em homens.

Todos sabemos que a obesidade é um problema muito importante de saúde pública em todo o mundo. A prevalência de obesidade nos últimos 30 anos dobrou em todo o mundo, causando grande impacto na incidência de doenças degenerativas, como o diabetes e as doenças cardiovasculares.

Apesar da prevalência de obesidade estar crescendo muito, os homens, de maneira geral, tem mais dificuldade em se considerar obesos e em ser voluntários em estudos clínicos para tratamento da obesidade. Dados da literatura médica mostram que em estudos clínicos de obesidade os homens consistem em aproximadamente ¼ dos participantes, à semelhança do que é observado em programas clínicos públicos de emagrecimento no Reino Unido. Dados de programas comerciais de emagrecimento dão conta que os homens constituem apenas 15% da população que participa desses programas.

Assim, é muito importante uma estratégia...

Apesar de já serem notórios os benefícios que os exercícios físicos proporcionam a quem tem o chamado Diabetes Mellitus, infelizmente a prática esportiva ainda não é tão popular entre as pessoas que têm a doença. Estudos mostram que esse tipo de prática é capaz de reduzir o risco de desenvolvimento do diabetes tipo 2 e até 60%. Além disso, o bom condicionamento físico reduz o risco de morte por doença cardiovascular, melhora a ação da insulina no organismo, ajuda no controle do peso e do colesterol, diminui os sintomas depressivos e aumenta a qualidade de vida. Todos esses benefícios são proporcionais à intensidade do exercício ou à capacidade aeróbica do indivíduo. Já o sedentarismo, por sua vez, é um dos principais fatores de risco para doença cardiovascular, assim como para o desenvolvimento da obesidade e do diabetes. Juntamente com os exames periódicos, a prática de exercícios regulares, como uma caminhada...

Um novo grande estudo clínico, mais lenha na fogueira e menos evidências de benefício.

A DCV é a principal causa de mortalidade e morbidade em indivíduos com diabetes tipo 1 e tipo 2. A esses indivíduos é atribuído um risco de mortalidade em 40 anos de 50%, contra 10% para a população em geral. A mortalidade nesses casos deve-se principalmente a doença isquêmica do coração, acidente vascular cerebral.

O uso de agentes antiplaquetários é estabelecido como benéfico na redução secundária de eventos CV em indivíduos com doença cardiovascular com e sem diabetes. A força da evidência de benefício na prevenção secundária, levou entretanto à sugestão de que o uso de Ácido Acetil Salicílico (AAS) seja também benéfico para prevenção primária em pacientes.

Estas recomendações estão incluídas em Consensos de Tratamentos das principais entidades relacionadas ao assunto, como a ADA (American Diabetes Association), a AHA (American Heart Association), entre outras, que recomendam a administração...

Alvoroço na imprensa, nas pessoas, nos fãs de TV, internet e de um sofazinho. Foi noticiado nesta última semana, resultados de uma pesquisa que descreve a ginástica dos sonhos dos “Couch potatos”, como se diz na América. É a pílula do exercício!

“Couch Potatos” é a expressão, muito usada nos Estados Unidos, para descrever os gordinhos sedentários, sendo composta pela junção das palavras, em inglês, “sofá” e “batata” (frita, pode-se supor). Pesquisadores do Salk Institute, na Califórnia, já haviam demonstrado, anteriormente, o papel da ativação do gene PPAR Delta,relacionado à oxidação de gordura no tecido muscular, que, quando hiperativado em camundongos geneticamente modificados, melhora a performance ao exercício de resistência.

Diante disso, os cientistas decidiram avaliar se a administração de uma medicação que ativa este gene (agonista), oGW1516, produziria efeito semelhante. Após administrar a substância a camundongos obesos e destreinados, não foi observado qualquer diferença na capacidade desses animais em resistir e suportar...

Nesta semana, muitas pessoas preocupadas com a sua saúde e bem-estar e o controle do seu peso, ficaram surpresas com a publicação por uma revista norte-americana de neurociências de um trabalho com ratos de laboratório que mostrou que o consumo de sacarina esteve associado a ganho de peso.

Vamos entender. Como foi feito o estudo?

A pesquisa baseou-se num dos princípios básicos da fisiologia moderna, o grande legado deixado pelo cientista russo Ivan Pavlov, ganhador do prêmio Nobel de Medicina. Trata-se do conceito conhecido como “reflexo condicionado”. Esta teoria propõe que todos os animais (incluindo nós mesmos, animais humanos), se condicionam de modo que um determinado estímulo fisiológico segue-se de uma experiência sensorial e fisiológica específica, decorrentes daquele estímulo. Em outras palavras, o organismo ao ser estimulado “espera” aquela conseqüência com a qual está acostumado. E se regula em função disso.

Então, vejamos, desde a primeira mamada, o animal (e seu...

Novas hipóteses para as origens, a mesma meta para o tratamento.

A Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) é um conceito em evolução. Diferentes classificações apontam para o mesmo, hiperandrogenismo (excesso de hormônios masculinos) e irregularidade menstrual ou ciclos oligo ou anovulatórios. Classicamente, trata-se de hiperandrogenismo acompanhado de níveis elevados de insulina (hiperinsulinemia).
 
Experimentos feitos no início da década de 80, com  Macacus Rhesus, mostraram que fêmeas expostas no período pré-natal a excesso de andrógenos apresentaram genitália ambígua e desenvolveram um comportamento virilizado. O seguimento longitudinal mostrou que naquelas que ganharam peso na vida adulta surgiu um fenótipo semelhante ao da síndrome de ovários policísticos, com hiperandrogenismo hiperinsulinêmico, dislipidemia, adiposidade visceral e baixa fertilidade. Assim, acreditava-se que em humanos o mesmo poderia acontecer e alterações hormonais na gravidez seriam preditores de risco futuro de SOP.
 
Para responder a esta pergunta, um trabalho feito na Austrália e publicado há algumas...

Apesar de já serem notórios os benefícios que os exercícios físicos proporcionam a quem tem o chamado diabetes mellitus, infelizmente, a prática esportiva ainda não é tão popular entre as pessoas que têm a doença. Estudos mostram que esse tipo de prática é capaz de reduzir o risco de desenvolvimento do diabetes tipo 2 de 35% a 40%. Além disso, o bom condicionamento físico reduz o risco de morte por doença cardiovascular em até 66%, sendo este benefício proporcional à intensidade do exercício ou à capacidade aeróbica do indivíduo. O sedentarismo é um dos principais fatores de risco para doença cardiovascular, assim como para o desenvolvimento da obesidade e do diabetes. Além de exames periódicos, a prática de exercícios regulares, pelo menos uma caminhada diária de 30 minutos, é uma das principais recomendações da Federação Internacional de Diabetes.

Existem dois tipos principais de diabetes, o diabetes tipo 1, também chamado...

É senso comum que comer os alimentos certos, sem excessos é bom para a saúde. Por outro lado, a restrição alimentar, sem desnutrição, está relacionada a aumento da vida em diversos organismos, desde leveduras, insetos, roedores, primatas e, possivelmente, humanos.

Mas a restrição dietética tem seu preço: freqüentemente prejudica a fecundidade, possivelmente porque a manutenção do soma (porção não germinativa do organismo) e da vida longa é incompatível com as demandas metabólicas da reprodução em algumas situações. Cientistas acreditaram por muito tempo que a resposta adaptativa do organismo à baixa oferta de nutrientes ocorre através de um aparato evolucionário que permite indivíduos sobreviver à fome através de um deslocamento de recursos energéticos da atividade reprodutiva para serem alocados em funções essenciais à sobrevivência. De fato, os dados empíricos reforçam que o aumento da longevidade via de regra ocorre à custa de diminuição da fecundidade.

Foi publicado recentemente na Revista Nature...

Os primeiros estudos descritivos sobre os efeitos dos canabinóides datam de mais 4.000 anos atrás, na índia, com a descrição das ações terapêuticas e psicotrópicas da planta Cannabis sativa. Nos últimos 40 anos, desde a purificação dos elementos ativos do sistema e a clonagem dos receptores canabinóides CB1 e CB2, muitos trabalhos têm sido publicados, descrevendo o papel central do sistema endocanabinóide, como um modulador central nos processos metabólicos e de secreção hormonal.

Recentemente, o EMEA - a agência regulatória de medicamentos da Europa - recomendou positivamente a aprovação da comercialização do Rimonabant, um bloqueador do receptor endocanabinóde CB1, para tratamento de obesidade.

Os receptores e os agonistas endógenos (endocanabinóides) constituem um sistema distinto de sinalização, envolvido com diversas funções fisiológicas, desde balanço homeostático, modulação de nocicepção, resposta imune, inflamatória e ainda aspectos relacionados ao sistema cardiovascular. Notadamente, tem se discutido o papel do sistema endocanabinóide na regulação dos sistemas endócrinos e do balanço...

A nefropatia diabética é um dos grandes problemas de saúde pública em todo o mundo, sendo responsável por mais de 44% dos pacientes em diálise nos Estados Unidos. Os custos anuais relacionados à nefropatia diabética nos EEUU são avaliados em US$ 10 bilhões, por ano. Apesar dos esforços em educação e na melhoria do tratamento, estima-se que 40% das pessoas com diabetes vão apresentar nefropatia clinicamente manifesta.

Muitos estudos observacionais têm mostrado a associação entre níveis elevados de homocisteína plasmática e risco de desenvolvimento de nefropatia, retinopatia e doenças vasculares, incluindo infarto agudo do miocárdio (IAM) e acidente vascular cerebral (AVC)

Estudos têm mostrado que o uso de suplementos com vitamina B diminui os níveis circulantes de homocisteína e melhora a função endotelial.

Com o intuito de avaliar se a reposição de vitamina B (em drágeas únicas, de uso diário, contendo 2,5 mg de ácido fólico, 25 mg de vitamina...

diabetes mellitus (DM) é uma situação muito propícia para o surgimento da raiva. Já ao diagnóstico muitas vezes a pergunta é inevitável: por que eu? Uma condenação? A vida com diabetes pode parecer cheia de ameaças e riscos e a revolta muitas vezes surge como uma autodefesa. A questão diante do problema é não ter raiva de sua própria vida. Quando alguém se sente ameaçado, amedrontado ou frustrado, ódio e angústia são reações normais. Fazer da crise a oportunidade é, de alguma maneira, transformar o ódio no sinal de que algo precisa ser feito. Uma nova atitude. Entender e aceitar o sentimento em relação ao diagnóstico é um passo importante para que se possa usar essa energia no autocuidado. 

Naturalmente que o processo de convívio com a doença ocorre ao longo do tempo e esse processo tem que ser respeitado. A criança, por exemplo, na vivência com o diabetes, passa por diversas...

Estive na última semana no acampamento da ADJ/UNIFESP para crianças e adolescentes com diabetes, entre 9 e 16 anos, que aconteceu no NR 1(Nosso Recanto) em Sapucaí Mirim, linda cidade bem colocada entre Minas e São Paulo, próxima a Campos do Jordão, encostada na serra da Mantiqueira.

O evento é uma colônia de férias com 1 semana de duração, que envolve 75 meninos e meninas de diferentes classes sociais e todos tendo em comum o uso de várias doses de insulina, a monitoração da glicemia, as hipoglicemias. Uma ilha no mundo de preconceito e insegurança de sentir-se diferente em um mundo cada vez mais "igual e pasteurizado". Todos passam, a partir desta experiência, a terem em comum também a vivência coletiva daquela semana no NR1, tradicional acampamento de férias de São Paulo.

Uma colônia normal, de férias de verão, contando com equipe de recreação de alto nível (incluindo vários monitores também com...

O Center for Disease Control (CDC) dos Estados Unidos publicou, no final de junho, a atualização dos dados epidemiológicos sobre diabetes naquele país. Vinte e quatro milhões de americanos tem diagnóstico de diabetes, ou 8% da população. Outros 54 milhões têm pré-diabetes, somando pouco mais de ¼ das pessoas que vivem nos Estados Unidos, apresentando problemas no metabolismo glicêmico. Em relação aos dados anteriores, de 2005, houve um aumento de 4 milhões de casos, com a prevalência da doença passando de 7% para 8% da população. Por outro lado, a percentagem de pessoas que desconhecem o diagnóstico caiu de 30 para 25% do total de pacientes diabéticos, sinalizando que as campanhas preventivas e o interesse crescente da mídia em torno do diabetes está aumentando a conscientização dos pacientes.

De acordo com os dados do relatório do CDC, o diabetes é a principal causa de cegueira adquirida, assim como de insuficiência renal terminal, sendo...

O envelhecimento, a obesidade e o sedentarismo são, sem dúvida, grandes desafios da medicina atual. Muitos adultos têm nível de capacidade funcional baixa o suficiente para que aumente seu risco de mortalidade geral.

Diversos estudos têm mostrado que tanto obesidade quanto sedentarismo podem produzir excesso de risco de mortalidade. Entretanto não se tem claramente dados sobre a relação entre obesidade e atividade física naqueles indivíduos cujo risco de complicações de saúde por esses problemas são maiores, ou seja, aqueles acima de 60 anos de idade. Alguns estudos já haviam sugerido que a mortalidade relacionada à obesidade é reduzida em indivíduos mais velhos, ou, em outras palavras, o impacto da obesidade na longevidade não é tão claro acima dos 60 anos de idade.

Um estudo recente, publicado no Jornal da Associação Americana de Medicina – JAMA, avaliou a combinação e interação entre medidas de adiposidade (IMC, circunferência abdominal e percentagem de gordura corporal) e capacidade física...

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes