Adoçantes Podem Levar a Ganho de Peso? Entendendo o Estudo que Foi Divulgado Nesta Semana

Dr. Rodrigo Nunes Lamounier
Médico endocrinologista
Doutor em endocrinologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP)
Professor visitante da Faculdade de Medicina da Universidade da Pensilvânia (Filadélfia, EUA)
Diretor Clínico do Centro de Diabetes de Belo Horizonte (CDBH)
Médico do Hospital Mater Dei
Coordenador do Departamento de Atividade Física da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD)

Nesta semana, muitas pessoas preocupadas com a sua saúde e bem-estar e o controle do seu peso, ficaram surpresas com a publicação por uma revista norte-americana de neurociências de um trabalho com ratos de laboratório que mostrou que o consumo de sacarina esteve associado a ganho de peso.

Vamos entender. Como foi feito o estudo?

A pesquisa baseou-se num dos princípios básicos da fisiologia moderna, o grande legado deixado pelo cientista russo Ivan Pavlov, ganhador do prêmio Nobel de Medicina. Trata-se do conceito conhecido como “reflexo condicionado”. Esta teoria propõe que todos os animais (incluindo nós mesmos, animais humanos), se condicionam de modo que um determinado estímulo fisiológico segue-se de uma experiência sensorial e fisiológica específica, decorrentes daquele estímulo. Em outras palavras, o organismo ao ser estimulado “espera” aquela conseqüência com a qual está acostumado. E se regula em função disso.

Então, vejamos, desde a primeira mamada, o animal (e seu organismo e sua fisiologia) se acostuma com o fato de que o estímulo sensório do doce em suas papilas gustativas se segue de um aporte de nutrientes hipercalóricos (é o caso dos alimentos doces em geral). Isso determina um comportamento neurosensorial que regula a saciedade e o metabolismo

A quebra desta seqüência (gosto doce – aporte calórico) pode levar a um desequilíbrio na ingestão alimentar dos animais. Esta foi a hipótese testada no estudo. O consumo de adoçantes não calóricos (que são mais doces que o próprio açúcar), pode levar a excesso na ingestão diária de calorias, numa compensação do organismo pela “falta” que sentiu após aquele estímulo vazio.

Assim, os pesquisadores administraram uma refeição padrão (um iogurte, no caso), adoçado com açúcar (hipercalórico) para um grupo ou sacarina (sem calorias), para o outro grupo. Ao final, observaram que aqueles ratos que ingeriram o alimento com sacarina, apresentaram ganho de peso 20% maior, com maior ingestão calórica diária.

Loucura?

A princípio é estranho, mas é preciso entender e interpretar os dados e lembrar que não existe nenhuma polêmica (ou dúvida), de que o consumo de alimentos ricos em sacarose (açúcar) está ligado a aumento de risco de obesidade e, inclusive, maior risco cardiovascular futuro.

Além disso, em julho do ano passado, este observatório publicou uma análise de um estudo americano com humanos, que mostrou que o consumo excessivo de refrigerante diet implicou em risco de 31% maior para obesidade futura e 53% maior para apresentar síndrome metabólica.

E quais as explicações:

  1. O consumo de alimentos muito doces pode aumentar a “fissura” dos indivíduos por alimentos mais palatáveis (e calóricos). Isso reforça o dito popular que diz: “Adoçante engorda, porque todo gordo usa adoçante”. Em outras palavras, se alguém, com problemas de excesso de peso vai a uma lanchonete de fast food e faz uma refeição de 1400 kcal e toma o cafezinho com adoçante, certamente, não está agindo bem para o controle do seu peso e de sua saúde. É um típico comportamento em que o uso de adoçante pode estar relacionado a aumento de peso.
  2. A “confusão”metabólica observada neste estudo mostra que os adoçantes ingeridos à revelia, sem um planejamento nutricional, podem contribuir para piorar o hábito alimentar e aumentar a ingestão total de calorias.

Em Outras Palavras

Adoçantes são sim úteis para diminuir a ingestão de calorias e, como pode ser visto na série de edulcorantes que publicamos neste Observatório Científico, são seguros para o seu consumo, dentro da dose diária recomendada.

O açúcar simples é uma fonte de calorias vazias, ou seja, um alimento que nada mais acrescenta ao organismo que calorias, sem qualquer valor nutritivo. Portanto, os edulcorantes podem e devem ser usados no controle de peso e da glicose, desde que sejam ingeridos como parte de um plano nutricional balanceado e com conteúdo calórico adequado para o objetivo de peso do indivíduo. Neste contexto, o objetivo consciente de perder peso pode reeducar o hábito alimentar e daí é que vem a manutenção de peso no longo prazo.

Não custa lembrar que atividade física, além de ser muito importante para a saúde, ajuda bem, né?

Então cuidemos da alimentação e saúde!

VOLTAR

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes