Prevalência da Síndrome Metabólica e Distúrbios Metabólicos na Esquizofrenia e transtornos relacionados.


Dra. Rosangela Almeida
Endocrinologista

Trata-se de uma revisão sistemática e meta-análise de estudos sobre pacientes portadores de esquizofrenia e transtornos relacionados, com o objetivo de esclarecer a taxa de prevalência da Síndrome Metabólica levando em conta as características de cada país envolvido, estágio da doença, o tratamento com os diferentes antipsicóticos e a duração da doença.

Foram avaliados 25.692 pacientes, envolvendo 27 países ou regiões no período de 2003 a julho de 2011.

Analisaram 77 publicações contendo 294 análises (126 análises principais e 168 análises de subgrupos). As análises de subgrupos foram compostas por pacientes em uso de antipsicóticos.

Das 126 análises principais, 84 (66,7%) utilizaram DSM-IV-TR para definir esquizofrenia e psicoses relacionadas e 18 de 126 (14,3%) utilizaram CID-10 como critério, porém 24 utilizaram julgamento de especialistas clínicos. Um subgrupo de 66 análises avaliaram pacientes com esquizofrenia pura sem psicose.

É evidente que os pacientes com esquizofrenia apresentam altas taxas  de doenças cardiovasculares e mortalidade prematura.

A presente meta-análise mostrou que 1 em cada 2 pacientes com esquizofrenia estão acima do peso, 1 em cada 5 pacientes  apresentam hiperglicemia significativa e pelo menos 2 em cada 5 pacientes têm alterações lipídicas. Verificaram também que a incidência da síndrome metabólica é maior quanto maior a exposição do paciente aos antipsicóticos.

Este estudo ainda chama a atenção dos psiquiatras quanto a necessidade de estarem alertas na avaliação de risco/benefício na escolha de um antipsicóticos específico que possa ter um impacto negativo sobre alguns fatores de risco da Síndrome Metabólica.

VOLTAR