Meu vizinho é mais obeso que eu e não tem diabetes. Por que eu?


Dr. Arnaldo Moura Neto
Médico Endocrinologista formado pela Unicamp
Mestre em Clínica Médica e doutorando em Clínica Médica pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp
Especialista em endocrinologia pela SBEM e membro da SBD

Muitos médicos já ouviram perguntas como essas em seus consultórios ao dar o diagnóstico de diabetes a um paciente.

Não é infrequentes vermos pacientes bastante obesos mas, com exames “saudáveis”, isto é, sem anormalidades metabólicas que usualmente associamos ao excesso de peso. Da mesma forma, é comum acharmos pessoas com peso não muito acima do ideal com várias doenças associadas à obesidade, como o diabetes. Por que isso acontece?

Nos últimos anos, conforme a prevalência de diabetes aumenta, aumenta também a quantidade de pesquisa sobre sua origem. E o que vem sendo descoberto é que o diabetes é muito mais que simplesmente uma consequência linear do excesso de peso.

Uma abordagem de raciocínio interessante é a que vê o tecido gorduroso como um órgão, como o coração ou pulmão. Sua função é guardar energia na forma de gordura. Do mesmo jeito que acontece para qualquer órgão, há um limite de função. A capacidade de estoque da célula de gordura (adipócito) pode ser uma explicação para o paradoxo entre excesso de peso e saúde metabólica.

Se as células de gordura de um indivíduo forem capazes de estocar o excesso de energia ingerido de forma ilimitada, a pessoa ganhará peso, mas não haverá depósito anormal de gordura em outros órgãos, como fígado e músculo, uma característica marcante dos pacientes com diabetes e síndrome metabólica. Cerca de 25% dos adultos obesos são sensíveis à insulina.

Por outro lado, se a capacidade de armazenamento for mínima, haverá “transbordamento” e depósito de gordura em outros lugares (principalmente no fígado), mesmo com pequenos excessos de energia acumulada. Seguirão resistência à insulina e, por fim, diabetes. Se não for tratado, o diabetes evolui, levando a perda de peso e consequentemente a um reajuste do peso corporal para dentro dos limites da capacidade de estoque. No longo prazo, sobrevirão as complicações crônicas da doença.

Na prática, a maioria dos pacientes se encaixa em algum meio termo entre estes dois extremos. A esperança é que o estudo e melhor compreensão da diferenciação e maturação das células de gordura nos trará novas informações úteis sobre as origens do diabetes e da obesidade. Isso abriria portas para novos tratamentos destas doenças.

Fonte:

Abate N. Adypocite maturation arrest: a determinant of systemic insulin resistance to glucose disposal. J Clin Endocrinol Metab 2012; 97(3):760-763.

VOLTAR

Você não tem permissão para enviar comentários

Comentários  

carina 12-03-2015 10:37
Meu filho é magro alto e adolescente com 17 está a um passo da diabetes difícil controlar tudo o que ele come ainda lidar com estresse nessa idade procuro algumas reportagens para alertá-lo mais é muito difícil lidar com isso
WALDIR ANGELO DINIZ 06-02-2015 08:42
bom dia, sou diabético a mais de 20 anos,nao tomo insulina apenas metformina 850 e glibencamida 5mg,de acordo com prescrição médica. até hoje o médico nao indicou insulina para meu caso.
porém sou magro tenho 1,65mts e estou pesando na media de 59kg. Tenho dificuldades pois sempre estou magro demais, no meu caaso qual melhor instrução sobre diabetico nao obeso?
abraços waldir

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes