Modelos teóricos em comportamento como ferramenta para educação nutricional em pacientes diabéticos


Dra Silvia Ramos
Nutricionista
Doutora em Ciências- UNIFESP,
Membro do Departamento de Nutrição SBD 2012/2017
Nutricionista do Grupo de Educação e Controle de Diabetes - GECD HRIM/UNIFESP
Diretora do Grupo Insira Educacional

O comportamento alimentar ocupa atualmente um papel central na prevenção e no tratamento de doenças. A alimentação, ao mesmo tempo em que é importante para o crescimento e desenvolvimento, pode também representar um dos principais fatores de prevenção de algumas doenças na fase adulta.

A utilização de modelos teóricos em saúde tem sido cada vez mais usada para   auxiliar profissionais e pacientes a entender as fases do comportamento e gerar  aconselhamentos prática para cada  uma das fases.

O modelo mais utilizado  em saúde é o Modelo Transteórico (MT)  proposto por James O. Prochaska e Carlo Diclemente  na década de 80. À  principio foi colocado como instrumento de auxílio à compreensão da mudança comportamental relacionada à saúde.

Os estágios de mudança representam o tempo, ou seja, representa quando ocorre a modificação de comportamento. Cada estágio de mudança está relacionado a uma fase com motivação e percepção diferentes frente à possibilidade de realizar mudanças no comportamento alimentar.1,2,3

Quadro 1 - Principais características de cada estágio de mudança de comportamento.

Alguns estudos  tem abordado a utilização  do modelo em diabetes, o que tem trazido  resultados promissores ao  tratamento de  forma global e ao aconselhamento nutricional.

A revisão sistemática de Andrés A, et al, em   avaliou a  efetividade da aplicação  do MT em pacientes com diabetes. Os parâmetros  analisados  foram: atividade física, índice de massa corporal (IMC),  glicose, pressão arterial, HbA1c, LDL e  qualidade de vida. Como resultado, a intervenção com MT  melhorou todos os parâmetros avaliados em diferentes graus nos estudos  avaliados.4

Outro estudo  que  correlacionou o estado de mudança do comportamento pelo MT e a alimentação em pacientes com diabetes  foi o “Stages of Change for Healthy Eating in Diabetes”. Neste estudo, o objetivo  foi identificar os estágios segundo o MT de  indivíduos DM 1 e DM2 em relação à alimentação saudável e redução da quantidade de gordura da dieta. Foram avaliados 768 indivíduos com ICM > 27 kg/m2. Como  resultados, observou-se que indivíduos DM1 tiveram redução da quantidade de calorias provenientes de gordura (p=0,02) e aumento das porções de vegetais (p=0,007) Apoio social  e familiar  na fase  de contemplação contribui para  mudança de fase. Desta forma, os autores concluíram que o MT auxilia a mudança  no hábito alimentar de diabéticos. 5

Este estudo, conduzido por usuários de unidades básicas de saúde (UBS) de Minas Gerais,  em 2012, teve como objetivo  avaliar os estágios de mudança nos comportamentos alimentar (consumo de frutas, verduras e legumes – FVL) e de atividade física e os impactos sobre o perfil bioquímico e antropométrico de indivíduos portadores de Diabetes mellitus (DM) tipo 2, mediante estratégias de intervenção com base no Modelo Transteórico (MTT).  Embora o desenho do estudo e a metodologia não tenham ficado claras, observou-se a movimentação dos pacientes para estágios superiores aos  do inicial. Com melhoras  no perfil  antropométrico e  bioquímico. 6

A aplicação prática  do MT  pode seguir o desenho em espiral, no qual o profissional de  saúde, deverá trabalhar  comportamentos, sentimentos e práticas para cada um dos estágios, auxilindo na tomada de decisões  contribuindo com a independência do paciente.

Nota: Tradução dos termos da figura: Precontemplation: Pré-contemplação; Contemplation: Contemplação; Preparation: Preparação; Action: Ação; Maintenance: Manutenção; Termination:Término.

Fonte: Toral N. Estágios de mudança de comportamento e sua relação com o consumo alimentar de adolescentes [dissertação de mestrado]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP; 2006.

Referências Bibliográficas

1.Sarkin JA, Johnson SS, Prochaska JO, Prochaska JM. Applying the transtheoretical model to regular moderate exercise in an overweight population: validation of a stages of change measure. Preventive Medicine. 2001; 33: 462-469.

2. Veiga DKE, Santos EO, Souza MKT, Leite SKCL, Liberali R, Coutinho VF. Avaliação dos estágios motivacionais de indivíduos que procuram atendimento nutricional. Encontro: Revista de Psicologia 2010; 13: 117-125.

3. Andrés A, Saldaña C, Gómez-Benito J. The transtheoretical model in weight management: validation of the processes of change questionnaire. Obes Facts 2011; 4: 433–442.

4. Andrés A, Gómez J, Saldana C. Challenges and Applications of the Transtheoretical Model in Patients with Diabetes Mellitus. Dis Manage Health Outcomes. 2008:16(1); 31-46

5. Vallis M, Ruggiero L, Greene G,Jones H, Zinman B, Rossi S. Stages of Change for Healthy Eating in Diabetes. Diabetes Care. 2003; 26(5):1468-1474

6. Natali CM, Oliveira MCF, Alfenas RCG, Araújo RMA, Santana LFR, Cecon PR, et al. Mudança de comportamento em portadores de diabetes. Nutrire: rev. Soc. Bras. Alim. 2012; 37 (3): 322-334.

7, Toral N. Estágios de mudança de comportamento e sua relação com o consumo alimentar de adolescentes [dissertação de mestrado]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP; 2006.

VOLTAR

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes