O comportamento alimentar ocupa atualmente um papel central na prevenção e no tratamento de doenças. A alimentação, ao mesmo tempo em que é importante para o crescimento e desenvolvimento, pode também representar um dos principais fatores de prevenção de algumas doenças na fase adulta.

A utilização de modelos teóricos em saúde tem sido cada vez mais usada para   auxiliar profissionais e pacientes a entender as fases do comportamento e gerar  aconselhamentos prática para cada  uma das fases.

O modelo mais utilizado  em saúde é o Modelo Transteórico (MT)  proposto por James O. Prochaska e Carlo Diclemente  na década de 80. À  principio foi colocado como instrumento de auxílio à compreensão da mudança comportamental relacionada à saúde.

Os estágios de mudança representam o tempo, ou seja, representa quando ocorre a modificação de comportamento. Cada estágio de mudança está relacionado a uma fase com motivação e percepção diferentes frente à possibilidade de...

O verão é a principal estação do ano onde o corpo está em evidência. Isto é propiciado pelo aumento da temperatura que faz com que as pessoas usem menos roupas, fiquem menos tempo dentro de casa e pratiquem mais atividade física. Nesta época, as academias de ginásticas, parques e clubes ficam repletas de indivíduos que se preocupam com o corpo.

“Todo mundo quer estar em forma no verão”. Porém, isto não ocorre da noite para o dia. Para manter o peso, de forma saudável, o processo deve ser contínuo. As pessoas devem se conscientizar que a saúde deve estar em primeiro plano.

São comuns, as dietas que prometem emagrecimento rápido e milagroso (dietas “detox”; dietas com restrições severas de carboidratos;  dietas líquidas, entre outras).

Para emagrecer com saúde e manter a nova silhueta, não há mistério. A dica é adquirir novos hábitos e sem perceber, perde-se peso.

O aumento de...

Recomenda-se que todo adulto realize atividades físicas moderadas: 30 minutos ou mais na maioria dos dias da semana, ou diariamente (de preferência) ou 150 minutos por semana. Além disso, para adultos diabéticos recomenda-se que o exercício seja aeróbico, de moderada intensidade (por exemplo, atingindo 50 a 70% da freqüência cardíaca máxima  e que na ausência de contra-indicações, pacientes adultos com Diabetes Mellitus Tipo 2 sejam encorajados a realizar treinos de resistência, pelo menos 3 vezes por semana.

No Brasil, o futebol é o esporte com maior número de pessoas interessadas, sendo provavelmente o esporte mais praticado por adultos e crianças do sexo masculino. Que tipo de exercício é realizado num treino ou jogo de futebol? Geralmente, nestes treinos os envolvidos atingem freqüências cardíacas sub-máximas ou máximas, caindo na faixa do treino anaeróbico (maior que 92% da freqüência cardíaca máxima). Só por este motivo, o jogo de futebol não é o...

Para o brasileiro, essa época de copa do mundo é especial. Não porque o futebol seja uma paixão. No Brasil, futebol é religião. Nesse momento de alegria contagiante, são comuns os excessos e os cabelos dos endocrinologistas ficam um pouco mais brancos com o prospecto de glicemias elevadas e exames descompensados. Revisam-se prescrições de orientação alimentar e de como escolher melhor os petiscos. Reforça-se não exagerar no consumo de bebidas alcoólicas para impedir glicemias fora do padrão e hipoglicemias. Os jovens são um grupo de risco em particular.

Mas a copa é antes de tudo um evento esportivo. Então por que não aproveitar esse período para tentar engajar mais os pacientes com diabetes em atividades físicas, inclusive o futebol? É preciso sempre lembrar o que conseguiríamos atingir se passássemos mais à ativa ao invés de apenas assistir aos jogos e dar uma de técnico. Futebol é um santo remédio.

Talvez...

A paixão pelo futebol pode ser ferramenta importante para controle da obesidade em homens.

Todos sabemos que a obesidade é um problema muito importante de saúde pública em todo o mundo. A prevalência de obesidade nos últimos 30 anos dobrou em todo o mundo, causando grande impacto na incidência de doenças degenerativas, como o diabetes e as doenças cardiovasculares.

Apesar da prevalência de obesidade estar crescendo muito, os homens, de maneira geral, tem mais dificuldade em se considerar obesos e em ser voluntários em estudos clínicos para tratamento da obesidade. Dados da literatura médica mostram que em estudos clínicos de obesidade os homens consistem em aproximadamente ¼ dos participantes, à semelhança do que é observado em programas clínicos públicos de emagrecimento no Reino Unido. Dados de programas comerciais de emagrecimento dão conta que os homens constituem apenas 15% da população que participa desses programas.

Assim, é muito importante uma estratégia...

Vamos começar este debate com um relato pessoal: eu e meus dois filhos fomos viciados em refrigerantes açucarados desde criancinhas. Eu consegui facilmente substituir os refrigerantes tradicionais pela versão diet ou zero, principalmente depois que essas bebidas passaram a ser adoçadas com aspartame. Meu filho mais velho, com um moderado excesso de peso, mesmo após uma cirurgia metabólica, também conseguiu vencer o vício das bebidas açucaradas, substituindo-as pelas versões dietéticas. Mas, meu filho mais novo, antes esbelto, agora, aos 40 e poucos anos, apresenta uma respeitável “barriguinha saliente”, apesar de não ser um glutão. O seu “pecado” é outro: ele é viciado e não consegue abandonar o vício de somente ingerir refrigerantes açucarados. E não há argumentos médicos que o convençam sobre a necessidade de redefinir suas escolhas no sentido de aderir aos refrigerantes dietéticos.

É verdade que existem alguns artigos mostrando que os refrigerantes dietéticos também apresentam eventuais efeitos...

Introdução

A importância de um controle rígido da glicemia entre pacientes com diabetes mellitus está bem estabelecido , no entanto , o tratamento da diabetes no ambiente hospitalar é geralmente considerada secundária em importância . Este estudo procurou avaliar o controle glicêmico e controle do diabetes em pacientes adultos internados em alguns hospitais no Brasil.

Métodos

Estudo transversal realizado em todo o país a partir de julho de 2010 a janeiro de 2012. Casos elegíveis: Pacientes com 18 anos de idade ou mais, com diagnóstico de diabetes e hospitalização de pelo menos 72 horas . Dados sócio-demográficos, informações, detalhes da hospitalização, assim como dados sobre o diagnóstico de diabetes, gestão e tratamento foram coletados para todos os pacientes por revisão de prontuários. Com ênfase ás informações sobre glicemia sérica (GS) nos dias consecutivos da internação.

Resultados

No total, 2.399 pacientes foram avaliados em 24 hospitais localizados em 13 cidades de todas...

Artigo comentado: Nutritional education and carbohydrate counting in children with type 1 diabetes treated with continuous subcutaneous insulin infusion: the effects on dietary habits, body composition and glycometabolic control Marigliano, M. et al.. Acta diabetologica. 2013;50(6):959-64

A escolha desse artigo para a coluna artigo comentado foi pela grande preocupação dos nutricionistas, atualmente, no ensinamento cuidadoso da terapia de Contagem de carboidratos (CHC), para que os pacientes não abandonem a alimentação saudável.

A recomendação de alimentação para diabetes não difere da alimentação do não diabético, sendo baseada na ingestão adequada de carboidratos, proteínas e gorduras ajustados às metas metabólicas, necessidades energéticas e preferências do indivíduo. Monitorar carboidratos, seja por contagem de gramas ou por escolhas, permanece como estratégia chave para o alcance do bom controle glicêmico. A contagem de carboidratos permite maior flexibilidade nas escolhas alimentares, podendo o paciente utilizar qualquer alimento, dentro de um plano alimentar saudável, o que muitas...

Apesar de já serem notórios os benefícios que os exercícios físicos proporcionam a quem tem o chamado Diabetes Mellitus, infelizmente a prática esportiva ainda não é tão popular entre as pessoas que têm a doença. Estudos mostram que esse tipo de prática é capaz de reduzir o risco de desenvolvimento do diabetes tipo 2 e até 60%. Além disso, o bom condicionamento físico reduz o risco de morte por doença cardiovascular, melhora a ação da insulina no organismo, ajuda no controle do peso e do colesterol, diminui os sintomas depressivos e aumenta a qualidade de vida. Todos esses benefícios são proporcionais à intensidade do exercício ou à capacidade aeróbica do indivíduo. Já o sedentarismo, por sua vez, é um dos principais fatores de risco para doença cardiovascular, assim como para o desenvolvimento da obesidade e do diabetes. Juntamente com os exames periódicos, a prática de exercícios regulares, como uma caminhada...

Estudo recentemente publicado no New England Journal of Medicine, em abril de 2014, nos trouxe a grata notícia da diminuição da incidência de complicações relacionadas ao diabetes nos Estados Unidos. Embora este estudo tenha sido desenvolvido com dados de instituições americanas, não deixa de ser uma novidade autêntica a redução das complicações relacionadas ao diabetes no período de 1990 a 2010. Até que ponto os achados deste estudo poderiam ser aplicáveis à situação brasileira é uma questão bastante controversa.

Os autores avaliaram a incidência das seguintes complicações: amputação de extremidades inferiores, doença renal em estágio final, infarto agudo do miocárdio (IAM), acidente vascular cerebral (AVC) e morte por crises hiperglicêmicas. As taxas relativas a todas as cinco complicações mostraram uma redução entre 1990 e 2010, com um declínio relativo mais expressivo na ocorrência de IAM (-67,8%) e nas mortes por crises hiperglicêmicas (-64,4%), seguidas pela redução da ocorrência de AVC...

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes