Na nova edição da Coluna Verdadeiro ou Falso, SBD esclarece dúvidas sobre a insulina.

Todos os pacientes com diabetes tipo 1 e alguns pacientes com diabetes tipo 2 precisam da insulina para controlar os níveis de glicose no sangue. O tratamento também ajuda a evitar complicações mais severas da doença, mas apesar da aplicação ser simples e praticamente indolor, muitas pessoas ainda têm dúvidas em relação ao uso. Uma delas é a respeito de dependência química associada a este hormônio – afinal, é possível viciar em insulina após o uso recorrente?

A endocrinologista e Membro do Departamento de Diabetes tipo 1 da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), Dra. Melanie Rodacki, esclarece que a aplicação de insulina não causa dependência química nos pacientes, já que todos os seres humanos, com ou sem diabetes, dependem do hormônio para sobreviver: “A maioria das pessoas produz essa insulina em quantidades suficientes, enquanto outros não produzem de forma suficiente e precisam receber esse hormônio através de injeção”, afirma.

Na maioria dos casos, a insulina é aplicada através de injeção subcutânea, com seringa, caneta de injeção ou bomba de infusão subcutânea. Em algumas situações de emergência, pode ser aplicada por via venosa ou intramuscular.

Muitas pessoas acreditam que a aplicação de insulina pode causar dependência química pelo fato de ser injetável e usada de forma contínua, mas ainda de acordo com a Dra. Melanie, ela é produzida pelo organismo e todos precisam dela para sobreviver.

A SBD recomenda que os pacientes com diabetes não interrompam o tratamento com insulina sem recomendações médicas e que dúvidas relacionadas ao método de aplicação do hormônio sejam esclarecidas com um especialista.

Você não tem permissão para enviar comentários