Dr. Augusto Pimazoni Netto
Coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim – Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Um trabalho apresentado no último Congresso da American Heart Association, em junho de 2014, mostrou mais alguns dados que nos permitem avaliar as complexas e perigosas associações entre ataques cardíacos e diabetes.

Reconhecer e tratar a doença de forma precoce previne complicações cardiovasculares. Nada menos que 10% dos pacientes tiveram seu diabetes diagnosticado enquanto estavam hospitalizados para o tratamento de ataques cardíacos.

O estudo analisou dados de 2.800 pacientes com ataques cardíacos que não tinham sido diagnosticados com diabetes. O estudo foi desenvolvido em 24 hospitais americanos. Um dado do estudo ainda mais preocupante mostrou que menos de 1/3 dos pacientes que tiveram o diagnóstico comprovado durante a hospitalização receberam alta hospitalar acompanhada de uma orientação educacional ou mesmo um tratamento adequado visando o controle do diabetes.

Além disso, também foi altamente preocupante o fato de que os médicos atendentes não reconheceram a presença do diabetes em 69% desses pacientes previamente não diagnosticados antes da hospitalização. A probabilidade desses médicos reconhecerem a presença do diabetes seria 17 vezes maior se eles tivessem solicitado a realização de um simples teste de hemoglobina glicada como componente importante do conjunto de medidas diagnósticas aplicáveis a pacientes admitidos por problema de ataques cardíacos. Muito embora o teste isolado de glicemia possa mostrar alteração no momento do diagnóstico, o fato é que, em muitos casos, a glicemia isolada pode estar normal. Quando consideramos não apenas a glicemia isolada mas, sim, a glicemia média, representada pelos valores do teste de hemoglobina glicada, melhoramos consideravelmente a probabilidade de detectar o diabetes em pacientes hospitalizados e até então ainda não diagnosticados com a doença.

Para complicar a situação, a American Heart Association ressalta o fato de que duas entre três pessoas com diabetes morre de doença cardíaca. Muito embora a histórica polêmica sobre o eventual papel do diabetes mal controlado no aumento do risco cardiovascular, vários estudos têm demonstrado uma correlação bastante provável entre essas duas condições clínicas.

E você, o que acha que vem primeiro: o ataque cardíaco ou o diabetes?

Participe deste debate. Manifeste sua opinião.

Fontes

American Heart Association. News Release. June 3, 2014. Which Comes First: Heart Attacks or Diabetes?

Diabetes in Control. 06 June, 2014 and appeared in Cardiovascular, Issue 732. Disponível em: http://www.diabetesincontrol.com/articles/53-/16432-which-comes-first-heart-attacks-or-diabetes. Acesso em 11 de agosto de 2014.

VOLTAR

Você não tem permissão para enviar comentários

Comentários  

Marcelândia 01-09-2014 14:50
O sistema cardiovascular diante de muitas agressões intrínsecas como o aumento da taxa de glicose, ativa várias formas compensatórias para manter a homeostase. então na minha opinião o DM vai surgir primeiro, e os efeitos cardiovasculare s serão reflexos de dano presente a mais tempo.
marcilene cristina lacerda dos santos 01-09-2014 09:14
Bom dia, meu marido descobriu que esta com diabetes e afetou o estado emocional dele, como fazer para ajuda-lo? e qual é a alimentação certa.