Parceria JDRF-SBD - T1D and Coronavirus: What You Need to Know - Diabetes tipo 1 e Coronavírus: o que você precisa saber.

Parceria JDRF-SBD

T1D and Coronavirus: What You Need to Know

Diabetes tipo 1 e Coronavírus: o que você precisa saber.

Tradução:Luis Eduardo Calliari

Texto publicado em https://www.jdrf.org/coronavirus/. Tradução e reprodução autorizados por JDRF

As notícias sobre a nova doença coronavírus — chamada COVID-19 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) — continuam a dominar as manchetes globais. Muitos americanos estão compreensivelmente preocupados.

Em 31 de janeiro de 2020, o secretário de Saúde e Serviços Humanos, Alex M. Azar II, declarou emergência de saúde pública (ERE) para os Estados Unidos ajudar a comunidade de saúde do país a responder ao COVID-19. Em 11 de março de 2020, a OMS caracterizou publicamente o COVID-19 como uma pandemia.

O COVID-19 e doenças virais semelhantes, como a gripe, podem representar um sério risco para pessoas com Diabetes Mellitus tipo 1 (DM1).

Abaixo, alguns fatos rápidos sobre o COVID-19, e o que as pessoas com DM1 precisam saber.

A JDRF fornece essas informações no interesse de ajudar os membros da comunidade DM1 a tomar decisões informadas sobre sua saúde e bem-estar. Se você ainda tiver preocupações ou dúvidas, pedimos fortemente que entre em contato com seu médico ou provedor de saúde. Sua saúde e segurança são de grande importância.

Sobre a Doença do Coronavírus (COVID-19)

O que é COVID-19?

Coronavírus são uma família de vírus que causam doenças respiratórias. A maioria deles causa doenças em animais, mas sete tipos conhecidos de coronavírus causam doenças em humanos. O SARS-CoV-2 é um desses vírus — causa a doença COVID-19. O SARS-CoV-2 está relacionado a outros coronavírus que causam doenças em humanos, como aqueles que causam SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) e MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio).

Quais são os sintomas?

As pessoas confirmadas com COVID-19 apresentaram doença respiratória leve a grave com febre, tosse e falta de ar. De acordo com a OMS, algumas pessoas podem sentir dores e dores, congestão nasal, coriza, dor de garganta ou diarreia— embora esses sintomas geralmente se desenvolvam gradualmente após o início da doença.

Como alguém vai saber se tem COVID-19?

Geralmente, a doença se espalha de pessoa para pessoa. Se você não esteve a menos de 1,80m de alguém que o tem, suas chances de contraí-lo são baixas. As pessoas que pensam que foram expostas ao COVID-19 devem entrar em contato imediatamente com seu provedor de saúde.

O que devo fazer para me proteger?

Como o COVID-19 é tão novo, ainda não há uma vacina, nem há medicamentos para tratá-la. O CDC publicou recomendações fundamentais para prevenir a propagação de todas as doenças respiratórias. Lave as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos; não toque nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas; evite contato próximo com pessoas doentes; fique em casa quando estiver doente; e desinfete objetos e superfícies que sejam tocadas com frequência.


O que alguém com DM1 deve saber sobre ter uma doença viral?


1. As pessoas com DM1 não correm mais risco de adoecer com o COVID-19.

  • Embora não tenhamos evidências específicas sobre DM1 e COVID-19, os principais especialistas médicos dizem que indivíduos com diabetes tipo 1 bem controlados não estão em risco aumentado de contrair infecção por Coronavirus (COVID-19).
  • Especialistas também dizem que se alguém com DM1 bem controlado contrai COVID-19, não está necessariamente em maior risco de desenvolver complicações graves da doença.
  • Aqueles de maior risco são pessoas com níveis consistentemente elevados de açúcar no sangue (glicemia) e aqueles com uma segunda doença crônica (como doenças cardíacas ou pulmonares).
  • Se você tem T1D e adoece, com qualquer vírus, você deve ter cuidados especiais com você e com seu DM1 (veja abaixo).

2. Monitore sua glicemia e cetonas mais do que o normal.

  • Quando você está doente, você pode não sentir vontade de comer ou beber muito, e você pode estar tomando medicação para lidar com sintomas como febre e dores musculares.
  • Por todas essas razões, é crucial monitorar cuidadosamente sua glicemia e cetonas com mais frequência do que o habitual, tão frequentemente quanto a cada quatro horas. Verifique seu monitor contínuo de glicose (CGM) se você tiver um, ou faça glicemias capilares (ponta de dedo) com frequência. Pode ser necessário tomar insulina extra para diminuir os níveis mais altos de glicose no sangue.
  • Fique atento às cetonas, pois níveis muito altos podem levar à cetoacidose diabética (CAD), uma condição perigosa que exige atenção médica imediata, podendo ser fatal se não tratada.
  • Níveis elevados de cetona ocorrem frequentemente quando as leituras de açúcar no sangue são altas. Isso pode ser um sinal de que o corpo está usando gordura e músculo para energia, em vez de açúcar.
  • Outros sinais de CAD incluem sintomas semelhantes à gripe (sensação de cansaço, fraqueza, dores, náuseas ou vômitos, dor abdominal), desidratação e também um hálito frutado, com respiração mais rápida, que acontece quando o corpo está tentando eliminar as cetonas e compensar a acidose.
  • Se você tiver vômitos, cetonas moderadas ou elevadas, sintomas de CAD, entre em contato com seu provedor de saúde imediatamente.

3. É mais importante do que nunca continuar um cronograma normal de medicamentos.

  • Isso pode ser desafiador quando você se sente doente, especialmente se você está tendo dificuldade em ingerir comida e líquidos.
  • Além da insulina, muitos medicamentos sem prescrição médica também afetam os níveis de glicose no sangue. Embora existam alguns xaropes para tosse sem açúcar no mercado, muitos desses xaropes contêm açúcar, o que só exacerba níveis já elevados de glicose no sangue.
  • Pílulas tomadas oralmente — que têm os mesmos ingredientes que os xaropes — podem ser uma escolha melhor se não contiverem carboidratos.
  • Outras drogas, como descongestionantes, também aumentam a glicemia.
  • Esteja atento aos efeitos da dos medicamentos para reduzir dor e febre.
    • Aspirina em grandes doses pode diminuir os níveis de glicose no sangue.
    • Acetaminofeno pode causar leituras falsas ou não em CGMs, e pode ser tóxico para o fígado e rins. Se houver complicações renais, ou seu uso também deve ser cauteloso.
    • O ibuprofeno também deve ser tratado com cuidado, pois aumenta o efeito hipoglicêmico da insulina.

4. Manter estoques de itens que ajudarão você a manter sua ingestão de carboidratos de forma saudável.

  • Alimentos como biscoitos, sopas de legumes ou macarrão, suco de maçã não adoçado ou iogurte com sabor de frutas são todas opções fáceis de engolir.
  • Se esses alimentos leves se mostrarem difíceis de engolir, os líquidos podem ser uma solução de curto prazo.
  • Se a glicemia estiver dentro do normal, comece com bebidas que contenham carboidratos, e planeje consumir algo a cada três ou quatro horas. As opções incluem sucos de frutas como laranja, bebidas esportivas e refrigerantes regularmente.
  • É importante manter-se bem hidratado, especialmente quando as cetonas estão presentes. Aumente sua ingestão de alimentos ou líquidos sem carboidratos, como água, caldo e gelatina sem açúcar, picolés ou refrigerantes.

5. Esteja preparado, por precaução.

  • É vital estar pronto para o pior, mesmo que (espero) que você nunca experimente isso.
  • Certifique-se de que você tem suprimentos médicos de diabetes em mãos e tenha acesso fácil no caso de você ficar em quarentena.
  • Tenha os números de telefone do seu médico prontos no caso de você apresentar esses sintomas: vômito ou diarreia por mais de seis horas; falta de ar; uma febre que não vai embora depois de um par de dias; grandes níveis de cetonas; e incapacidade de manter o alimento ou líquido para baixo e estão experimentando hipoglicemia.
  • Para crianças, chame um médico se eles: têm dificuldade para respirar ou apresentam lábios azulados; não estão comendo e bebendo; apresentam dor de ouvido severa (isso pode indicar uma infecção no ouvido); e estão muito mais sonolentos do que o normal.
  • Se você tiver que ir a algum serviço de emergência, é vital que você mencione que você ou seu ente querido tem T1D, e tenha uma pulseira de identificação exibida com destaque.

Estoque de Suprimentos

JDRF tem estado, e permanecerá, em contato próximo com os principais fabricantes de insulina e diabetes tipo um (DM1). Cada fabricante líder compartilhou conosco que o COVID-19 não está tendo um impacto em suas atuais capacidades de fabricação e distribuição. Continuaremos monitorando a situação e atualizaremos a comunidade DM1 caso algo mude.

Devido ao aumento de pedidos nas últimas semanas, alguns fornecedores estão dizendo aos pacientes com DM1 que eles podem estar com dificuldade de atender aos pedidos de forma imediata. Fomos informados de que são atrasos, não questões de longo prazo e não devido à escassez na cadeia de suprimentos.

Todos os membros da comunidade DM1 devem garantir que as prescrições estejam em dia e que você tenha recebido o número máximo de insumos disponíveis. Além disso, considere entrar em contato com sua farmácia para ver se você é capaz de reabastecer sua prescrição mesmo que seja antes da típica janela de 30 dias, já que algumas empresas estaduais e/ou de seguros de saúde estão dispensando restrições de recarga por causa do COVID-19.

  • Ajuda com custos

Existem algumas maneiras de reduzir seus custos de prescrição e insulina: através de programas estatais e sem fins lucrativos; programas de assistência ao paciente com diabetes oferecidos por empresas farmacêuticas; cartões de desconto de medicamentos e muito mais. Saiba mais sobre eles na jdrf.org/costs.

  • O que os principais fornecedores estão dizendo?

Inúmeras empresas distribuíram declarações públicas sobre suas cadeias de fornecimento (listadas abaixo). Forneceremos atualizações à medida que recebermos novas informações.

Para obter informações detalhadas sobre o COVID-19, visite os Centros de Controle de Doenças (CDC) e a Organização Mundial da Saúde (OMS)..

Para obter informações atualizadas sobre a disseminação do COVID-19, visite o Painel de Casos Globais da Johns Hopkins.

Você tem dúvidas sobre acesso à insulina e precisa de informações para lidar com o seguro de saúde? Visite o Guia de Seguro de Saúde da JDRF para saber mais.

Atualizado em: 25 de março de 2020 17:00 EST