As micoses e os pés dos pacientes com Diabetes Mellitus

Farmacêutica Fernanda A G Branco

  • CRF-SP 42.314
  • Mestre e Doutoranda - Universidade Federal de São Paulo
  • Laboratório de Micologia Médica - Disciplina de Biologia Celular
  • Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia
  • Farmacêutica do Grupo de Educação e Controle do Diabetes
  • Hospital do Rim – Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP

Micoses são infecções causadas por fungos e podem ser superficiais, subcutâneas, oportunistas ou sistêmicas. As micoses superficiais acometem a pele e seus anexos, como unhas, pêlos e cabelos. A incidência deste tipo de infecção aumentou muito nos últimos vinte anos, pelo uso de medicamentos imunossupressores, antineoplásicos, antibióticos de amplo espectro, cirurgias muito agressivas e especialmente por causa de doenças imunossupressoras, como o Diabetes Mellitus.

O Diabetes Mellitus desencadeia uma série de complicações aos pacientes, incluindo complicações neurológicas e vasculares, que propiciam o aparecimento de calosidades e feridas por pressão, que quando não cuidadas adequadamente podem evoluir para quadros mais graves, levando infelizmente à amputação de membros inferiores. Um dos fatores que pode complicar tal quadro é a presença de infecção fúngica no local, o que pode ser um fator determinante no estabelecimento de uma infecção mais profunda atingindo o tecido ósseo, a chamada osteomielite, outro fator de risco para amputação.

Com certeza, prevenir é muito melhor do que remediar, então a todos os pacientes e especialmente àqueles que não costumam olhar com carinho para seus pés peço que o façam e que anualmente consultem-se com profissionais especializados em podiatria para avaliação dos pés.

O risco de complicações podais é iminente, especialmente àqueles que não realizam o autocuidado da pele e dos pés corretamente, como, por exemplo, uso de calçado inadequado e higiene aquém do necessário, o que proporciona a fixação e o desenvolvimento de fungos nesses locais, agravando situações em que existem lesões, disseminando a infecção ou dificultando a cicatrização de tecidos acometidos.

O uso de antifúngicos orais não é indicado para pacientes tratados com hipoglicemiantes orais (medicamentos para controle da glicemia elevada), uma vez que pode afetar a capacidade hepática do paciente, deixá-lo longe de manter seu controle glicêmico e existe o grande risco de interações medicamentosas, o que prejudica a eficácia de tais medicamentos.

Assim, o primeiro passo para prevenir complicações podais relacionadas a fungos é, mais uma vez, o autocuidado do paciente, que deve observar atentamente quaisquer alterações na pele dos pés e em suas unhas e caso encontre procure um profissional especializado, que irá tratá-lo da melhor forma possível.


Pé de paciente com diabetes e lesão sugestiva de onicomicose
Fig 1: Pé de paciente com diabetes e lesão sugestiva de onicomicose



Referências Bibliográficas:

  1. GAZES, M I & ZEICHNER, J Onychomycosis in close quarter living review of the literature. Mycoses, 2013; 56:610-613
  2. GUPTA, A K et al. Prevalence and epidemiology of toenail onychomycosis in diabetic subjects: a multicentre survey. Brit J Dermatol, 1998; 139:665-71.
  3. MURPHY-CHUTORIAN, B, HAN, G & COHEN, SR, Dermatologic Manifestations of Diabetes Mellitus: A Review. Endocrin Metab Clin, 2013; 42:869-898.

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes