Um estudo realizado no Brasil demonstrou que em 41% das mulheres que têm diabetes foi detectada doença isquêmica do coração (dic) - tipo que mais mata mulheres na América latina. Além disso, são, frequentemente, doenças silenciosas: 50% das mulheres analisadas no estudo tinham dic sem apresentar dores no peito (angina típica), o que é um sinal de alarme. "é impressionante, como normalmente não havia queixa de angina típica. Fato que nos faz pensar sobre novas estratégias na avaliação de pacientes sem sintomas típicos, para prevenirmos de forma mais eficaz infarto do miocárdio e morte súbita", avalia o cardiologista nuclear joão vítola, responsável pela condução do estudo. Exame diagnóstico Os dados foram processados com base em 10 anos de registros de exames de 41.671 pacientes (estudo quanta diagnóstico e terapia, em curitiba). Entre esses pacientes, 44,7% (18.600), são mulheres. O estudo quanta foi

publicado na revista científica de referência, a current cardiovascular...

Menos uma hora de sono para ir à academia, menos uma para fazer um curso extra... A demanda de múltiplas atividades durante o dia tem tornado as noites cada vez mais curtas. Dormir pouco, contudo, eleva o risco de diversas doenças, sobretudo problemas circulatórios, como diabetes, hipertensão arterial, arritmias cardíacas e AVC.

Comemorado hoje, o Dia Mundial do Sono visa a conscientizar a população desse perigo. Um estudo recente da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, mostrou que dormir mal por três noites já é suficiente para aumentar o risco de diabetes tipo 2, mesmo em pessoas saudáveis, já que isso reduz a capacidade da insulina de regular a quantidade de açúcar no sangue. — Acredita-se que dormir pouco ativa o sistema nervoso autonômico, que prepara o

corpo para situações de estresse. Isso faz com que sejam liberadas na corrente sanguínea uma série de substâncias, que vão contribuir para alterações...

Furar o dedo várias vezes ao dia para monitorar o açúcar no sangue e ter de aplicar insulina com a mesma frequência podem deixar de fazer parte da vida dos diabéticos. Um projeto de pâncreas artificial e um monitor de glicose que funciona por 14 dias sem a necessidade de perfurações são algumas das inovações que serão apresentadas a partir da quinta-feira (12) no 1° Simpósio Internacional de Novas Tecnologias em Diabetes, em São Paulo. Promovido pela

Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), o evento vai até sábado e mostrará inovações no controle e no tratamento da doença que atinge mais de 13 milhões de pessoas no país. Para monitoramento da diabete, será apresentado um monitor já comercializado na Europa e em processo de aprovação no Brasil. Com ele, o paciente coloca sobre a pele um dispositivo com uma agulha muito fina que pode permanecer no local por até 14 dias...

A Sociedade Brasileira de diabetes está lançando em fevereiro o E-book "Diabetes na prática clínica". Escrito pelas maiores autoridades em diabetes do Brasil, o trabalho foi desenvolvido durante um ano pela Sociedade Brasileira de Diabetes que, além do conteúdo clínico, desenvolveu um material com informações claras, precisas e de fácil compreensão, lançando mão de ferramentas avançadas em educação à distância.

O E-book tem como objetivo trazer informações médicas de qualidade e atualizada para todos os profissionais da área de saúde, médicos e não médicos, envolvidos no tratamento das pessoas com diabetes. Também terão acesso ao trabalho os alunos de todas as faculdades de medicina do Brasil. Hoje o Brasil tem cerca de 14 milhões de pessoas com diabetes, o que pode ser considerado uma epidemia, e é uma das maiores causas de cegueira, amputação dos membros inferiores, insuficiência renal, infarto e AVC (Acidente Vascular Cerebral), entre outros problemas.

Com informações...

As políticas públicas de saúde abrangem o conjunto de programas voltados à melhoria dos perfis de saúde da população sendo classificadas em níveis de atenção primária, secundária e terciária, de acordo com o campo de atuação, utilização de recursos, infraestrutura e especialização.

A atenção primária, na maioria das vezes composta de serviços não especializados, desenvolve ações de caráter individual e coletivo que incluem a promoção da saúde, a prevenção da doença, o tratamento e a reabilitação. No Sistema Único de Saúde (SUS) é contemplada principalmente pela esfera municipal por meio das Unidades Básicas de Saúde e da Estratégia do Programa de Saúde da Família.

A importância da atenção primária vem sendo reconhecida tanto no Sistema Supletivo de Saúde com ações dirigidas a pacientes e familiares, como na iniciativa privada com projetos voltados à saúde e qualidade de vida dos funcionários. A atenção primária não é baseada em equipamentos ou produtos sofisticados e de custos elevados, porém exige médicos e...

Desconhecimento sobre gravidade do problema ainda é um dos principais desafios apontados por uma pesquisa nacional

O brasileiro está cada vez mais pesado. Uma pesquisa nacional da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, patrocinada pela Covidien, aponta que o número de obesos mórbidos praticamente dobrou em sete anos no país, saindo de 3,5 milhões, em 2007, para 6,8 milhões, em 2014. No ano passado, o Brasil tinha quase 25 milhões de obesos, o que representa 18,5% da população. Embora a faixa de sobrepeso tenha apresentado queda de 51% para 40% nos últimos anos, os pesquisadores afirmam que esses indivíduos migraram para as faixas de obesidade, não de normalidade de peso.

Os índices são alarmantes, segundo o coordenador da pesquisa, Luiz Vicente Berti, uma vez que o excesso de peso é um fator de risco para problemas circulatórios, ortopédicos e sociais. “A obesidade é a doença de maior impacto socioeconômico...

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes