Revisão da literatura: Requerimentos nutricionais pós-cirurgia bariátrica - Parte 1


Dra. Maria Goretti
Nutricionista Professor Adjunto-Departamento de Nutrição - Universidade Federal de Pernambuco-UFPE
Membro do Departamento de Nutrição da SBD 2014/2016

Cirurgia Bariátrica constitui atualmente uma forma de tratamento da obesidade e, do diabetes nos pacientes com IMC ≥ 35 Kg/m2. Protocolos de dietas bariátricas são definidos por cada equipe cirúrgica e, poderá variar na progressão de consistência dietética. No entanto, todos compartilham metas nutricionais comuns como:

- Maximizar a perda ponderal e absorção de nutrientes essenciais 
- Manter hidratação adequada 
- Evitar vômitos e síndrome de dumping

A orientação nutricional tem como base uma dieta com mínimo de calorias e elevada em nutrientes essenciais, garantindo cicatrização e minimizando perda de massa magra. A dieta deve reduzir refluxo, saciedade precoce e síndrome de dumping, ao mesmo tempo elevar perda ponderal prevista por cada período e, mais tarde a manutenção do peso adquirido. Mulheres que engravidam devem ser monitoradas para ganho ponderal adequado e suplementação específica, atendendo necessidades da mãe e feto.

Estágio e progressão da Dieta

A progressão da consistência da dieta é baseada em protocólos de recomendações pós cirurgica. Para melhorar os resultados, os pacientes e familiares recebem já em período pré operatório, a dieta estruturada do pós operatório, com exemplos de cardápios e recomendações quanto ao tipo de alimentos, preparações, volume além de noções básicas de técnica dietética. A partir de 24 horas pós cirurgia poderá ser iniciado dieta hipoglicídica com líquidos claros adicionados de carbohidrato complexo (água,chá,água de côco,refrescos coados); dependendo da aceitação poderá evoluir de acordo com protocolo de cada técnica e tolerância individual. A água é o primeiro alimento testado, à temperatura ambiente e na progressão para dieta líquida devem ser excluidos no 1º mês açúcar simples, cafeina, líquidos carbonatados, alcoól, suplementos ricos em fibras insolúveis e shakes industrializados de conteúdo nutricional desconhecido ou inadequado.

Dieta líquida completa com uso de açúcar complexo segue a dieta de líquidos claros, com a retirada da sacarose e lactose e inclusão de sucos naturais,iogurtes desnatados com frutas dissolvidas (evitar pedaços), leites reduzidos em lactose ou de soja sem lactose, caldos de carnes,leguminosas,gelatina diet.Dependendo da tolerância a maioria dos protocolos usam dieta liquida até 14º-20º dia da cirurgia. Polivitaminico líquidos devem ser adicionados durante todo 1ºmes, após o 3º dia de cirugia.

A dieta poderá progredir ser para semi-líquida ou líquida pastosa, até o 30º dia pós cirúrgico, com inclusão de sucos e iogurtes densos, milk shake , papas de frutas liquidificadas, vitaminas de frutas, sopas cremes, purê semi-líquidos de legumes, cereias, raízes e tubérculos. Suplementos protéicos devem ser incluídos para atender às necessidades de proteínas, especialmente a base de proteína do soro do leite, na falta poderá ser substituido por caseína ou albumina em pós; complementar com alimentos tipo ovo pochê, cremes de aves, peixe e crustáceos bem cozidos, queijos suaves desnatados cremosos. Em seguida os pacientes evoluem para uma dieta branda por 3-7 dias e dependendo da tolerância evoluir para uma dieta normal hipoglicídica, hipocalórica, hiperproteica,normolipídica com suplementação polivitaminica.

É importante manter as preparações úmidas, especialmente carnes e cereais. Durante este período são planejadas 3 refeições principais e 3-4 lanches, programados durante todo o dia, refoçando a importância da mastigação lenta e reduzida ingestão liquida durante as refeições principais. O consumo de alimentos proteícos deve ser prioridade, suplementos protéicos de uso contínuo podem ser considerados na impossibilidade de cobrir as necessidades de proteínas com refeições e lanches.

Em todas as fases da dieta bariátrica evitar ou atrasar a introdução de: açúcar simples, doces concentrados, bebidas carbonatadas, sucos industrializados. Devem ser evitados no padrão alimentar diário, alimentos hiperglicídicos, hiperlipídicos, pastelarias, massas em grandes porções, carnes cruas, alimentos fritos,milho,pipoca e bebidas ou preparações com alcool.

Síndrome de dumping

A síndrome de dumping pode apresentar-se como uma combinação de sintomas neuroglicopênicos vasomotora gastrointestinal pós-prandial, ocorrendo em até 76% dos pacientes após bypass gástrico. Os sintomas incluem saciedade precoce, náuseas, cólicas, diarréia, sudorese, rubor, palpitações, tonturas e desmaios. Os primeiros sintomas podem ocorrer 10 a 30 minutos após refeição e resultam de aceleração do esvaziamento gástrico de conteúdo hiperosmolar no delgado. Dumping tardio ocorre 1-3 horas após refeição, consequente á uma hipoglicemia reativa, resultante da liberação excessiva e rápida de insulina. Para evitar a síndrome orienta-se: evitar açúcares simples, alimentos gordurosos, ricos em amido, uso de líquidos 30 minutos após refeição, evitar jejum prolongado, consumir fibras na quantidade e qualidade adequada e de acordo com a tolerância.

Considerações finais

O sucesso do tratamento cirúrgico da obesidade depende principalmente das modificações do padrão alimentar pós-operatório. Mudanças qualitativas na escolha de alimentos, evitando o consumo de calorias vazias e gorduras saturadas, bem como aumento na ingestão de vitaminas e minerais biodisponíveis, favorecem a perda ponderal adequada e a redução de intolerâncias alimentares e deficiências nutricionais.

Referências:

1. AACE/TOS/ASMBS. Bariatric Surgery Clinical Practice Guidelines, Endocr Pract.2013; 19 (2): Suppl 1:S1-27.
2.Academy of Nutrition and Dietetics. Nutrition care manual_.Bariatric surgery. http://nutritioncaremanual.org/topic.cfm?ncm_category_id51&lv15.Acesso 15-10-2013.
3. Allied Health Sciences Section Ad Hoc Nutrition Committee, Aills L,Blankenship J, et al. ASMBS allied health nutritional guidelines for the surgical weight loss patient. Surg Obes Relat Dis 2008;4:S73–108.
4.Burgos M, Lima D,Coelho P.Nutrição em Cirurgia Bariátrica. Editora Rubio 2011.
5. Mechanick J, Youdim A, Jones D, et al. Clinical practice guidelines for the perioperative nutritional, metabolic, and nonsurgical support of the bariatric surgery patient . Surg Obes Relat Dis 2013;9:159–91.
6. Bosnic G.Nutritional requirements after bariatric surgery. Crit Care Nurs Clin North Am. 2014 Jun;26(2):255-62.

 

Veja a parte 2 da revisão da literatura clicando aqui

 

VOLTAR

Você não tem permissão para enviar comentários

Mais Temas

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes