Parecer dos Departamentos de Nutrição e de DM1 da SBD: Dieta Low Carb

Neste mês foi publicado um estudo na importante revista Pediatrics, a respeito da dieta low-carb como ferramenta do tratamento dos pacientes com DM1. Este estudo tem causado muita polêmica e questionamentos, especialmente por que o foco desta dieta agora são as crianças.  É importante ressaltar que a Sociedade Brasileira de Diabetes não indica a realização de dieta com conteúdo muito baixo de carboidratos para pacientes com DM 1, especialmente para crianças.  Tal procedimento traz potencial risco à saúde e ao desenvolvimento normal da criança e do adolescente, não havendo ainda evidência de sua eficácia e segurança em pacientes com DM1.

Neste estudo, através de uma pesquisa online realizado com 316 indivíduos com DM1 e seus familiares (sendo destes 131 crianças) que seguem a dieta de teor muito baixo de carboidrato (very low carbohydrate diet ou VLCD; preconizado pelo livro do Dr Bernstein - Dr Bernstein ‘s Diabetes Solution) demonstrou-se uma melhora significativa do controle metabólico, atingindo média de hemoglobina glicada (HbA1c) de 5,71±0,58% com baixa taxa de efeitos adversos (internação por hipoglicemia ou cetoacidose).

As críticas que podemos pontuar neste estudo são as poucas informações sobre:

1) As características das dietas usadas
2) A avaliação do desenvolvimento e crescimento dos jovens
3) A frequência da hipoglicemia, especialmente a noturna
4) Muitos casos a não comprovação dos resultados relatados pelo pacientes pela equipe médica
5) Período curto do estudo
6) A restrição de carboidratos leva ao aumento da ingesta de gorduras e proteínas

 Nós sabemos. que seguir uma alimentação saudável e balanceada com todos os nutrientes é fundamental para garantir o crescimento e desenvolvimento ideal de crianças e adolescentes. A Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomenda a ingesta  inferior a 130 g/dia de carboidratos nesta faixa etária e sugere que a composição nutricional do plano alimentar da criança com DM1 deva fornecer em média 50-55% do valor energético total proveniente de carboidratos. Fontes saudáveis ​​de carboidratos devem ser priorizadas e incentivadas, como pães e cereais integrais, leguminosas (ervilhas, feijões e lentilhas), frutas, legumes e laticínios com baixo teor de gordura (crianças maiores de 2 anos), evitando-se fontes de carboidratos que contenham altas concentrações de gorduras, açúcares e sódio.         

 Apesar de controverso, o estudo publicado, serve como incentivo a novas pesquisas nesta área com grupo controle e randomizado, para responder as nossas inquietações com as glicemias pós prandiais e assim melhorar o controle metabólico dos nossos jovens pacientes além de permitir um crescimento e desenvolvimento saudável. A Sociedade Brasileira de Diabetes não indica a realização de dieta com conteúdo muito baixo de carboidratos para pacientes com DM 1, especialmente para crianças.

Referências Bibliográficas


1) ADA – American Diabetes Association. Lifestyle Management: Standards of Medical Care in Diabetes 2018. Diabetes Care, v. 41, p. S38-50, 2018. Suppplement 1.
2) International Society for Pediatric and Adolescent Diabetes (ISPAD). Clinical Practice Consensus Guidelines 2014 Compendium. Smart CE. Nutritional management in children and adolescents with diabetes. Pediatr Diabetes. 2014;15:135-53
3) SBD - Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018. São Paulo: Clannad, 2017.
4) Rabasa-Lhoret R, Garon J, Langelier H, Poisson D, Chiasson JL. Effects of meal carbohydrate content on insulin requirements in type 1 diabetic patients treated intensively with the basal-bolus (ultralente-regular) insulin regimen. Diabetes Care. 1999;22(5):667-73)
5) Information note about intake of sugars recommended in the WHO guideline for adults and children. WHO. 2015.
6) Diabetes Control and Complications Trial Research Group, Nathan DM, Genuth S, Lachin J, Cleary P, Crofford O et al. The effect of intensive treatment of diabetes on the development and progression of long-term complications in insulin-dependent diabetes mellitus. N Engl J Med. 1993;329(14):977-86.
7) Nansel TR, Lipsky LM, Liu A. Greater diet quality is associated with more optimal glycemic control in a longitudinal study of youth with type 1 diabetes. Am j Clin Nut. 2016;104(1): 81-7.
8) Miller KM, Foster NC, Beck RW, Bergenstal RM et al. Current State of type 1 Diabetes Treatment in the US: Updated Data From T1D Exchange Clinic Registry- Diabetes Care 2015;38:971 – 978
9) Gabbay MAL, Montanari V, Sallorenzo C et al. Critical evaluation of the food fator in a group of patients with type 1 diabetes of diferente age groups using continuous subcutaneous insulin infusion and inadequate glycemic control.Diabetol Metrab Syndr 2018;10(supp 1):27- A86
10 ) Turton JL, Raab R, Rooney KB.Low-carbohydrate diets for type 1 diabetes mellitus: A systematic review. .PLoS One. 2018 Mar 29;13(3):e0194987.
11) AClifton PM, Keogh JB. systematic review of the effect of dietary saturated and polyunsaturated fat on heart disease. Nutr Metab Cardiovasc Dis. 2017 Dec;27(12):1060-1080.
12) Leow ZZX, Guelfi KJ, Davis EA, Jones TW, Fournier PA.The glycaemic benefits of a very-low-carbohydrate ketogenic diet in adults with Type 1 diabetes mellitus may be opposed by increased hypoglycaemia risk and dyslipidaemi . Diabet Med. 2018 May 8. doi: 10.1111/dme.13663.
13) Kamper AL, Strandgaard S.Long-Term Effects of High-Protein Diets on Renal Function.. Annu Rev Nutr. 2017 Aug 21;37:347-369.

Fale Conosco SBD

Rua Afonso Braz, 579, Salas 72/74 - Vila Nova Conceição, CEP: 04511-0 11 - São Paulo - SP

(11) 3842 4931

secretaria@diabetes.org.br

SBD nas Redes